Publicidade
Publicidade
Publicidade
:
Dom
28/05/17
Araguaína

Parcialmente Nublado

33º 20º
  • Parada Gay: um convite ao combate à homofobia e ao fim do preconceito

    OPINIÃO - 18.09.13 07h56

    No último sábado, 14, aconteceu em Araguaína a 7ª edição da Parada Gay, evento que reuniu centenas de lésbicas e gays para, juntos, protestarem contra a homofobia e o fim do preconceito.

    Como sempre, é de se esperar gente jovem, feliz e autêntica, assim como pessoas medíocres que só sobem denegrir a imagem do grupo LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros). No evento de sábado, pelo menos três pessoas foram quase seminuas, aí você já viu: em cidade pequena, as pessoas têm a mania de generalizar tudo.

    E foi isso que aconteceu: por causa de uma minoria a sociedade espalhou pela cidade que o evento é uma “safadeza”, “coisa de gente que não tem o que fazer”, “abominação do demônio” entre outras expressões. Porém, os mesmos que condenam os ativistas são os primeiros a cobrarem diariamente mais segurança e menos assassinatos em Araguaína, que é considerada uma das cidades mais violentas do país, segundo o promotor de Justiça Benedito Guedes.

    Só para você ter ideia, em 10 anos, pelo menos 30 pessoas morreram no Tocantins vítimas da homofobia. No Brasil, só no ano passado quase 10 mil pessoas sofreram com violência contra os homossexuais. Isso é grave. Gravíssimo! 

    Em Araguaína, os crimes homofóbicos que mais chamaram a atenção da sociedade foram os assassinatos de dois gays: professor Raimundo Coelho, mais conhecido com “Raimundim”, e o ex-presidente do Sintet (Sindicato dos Trabalhadores em Educação no Estado do Tocantins). Ambos os profissionais da educação mostraram a todos que as suas opções sexuais não os desmereceram em nada.

    Ao meu ver, a sociedade deveria se preocupar menos com quem o vizinho divide a cama e começar a se importar com problemas urgentes da cidade, como a quantidade de mendigos que vivem pelas praças de Araguaína.
     


    Adriel Christian é estudante de Direito e Repórter do Portal O Norte.

    - Os textos dos nossos colunistas não representam a opinião do site, mas deles próprios. Através dos comentários, você poderá discordar ou concordar. O espaço é livre a todos!
  • Certos hobbies

    OPINIÃO - 05.08.13 07h14

    OPINIÃO
     

    De um tempo para cá, malhar já não é apenas um hobby, e sim moda. Sim, moda! Dessas que você, mesmo sem querer, acaba aderindo. Já, já explico.

    A escritora mineira, Paula Pimenta, em de seus vários textos disse: “(...) No caminho de casa, passo por uma pista de cooper onde há barras e aparelhos de ginástica. Em qualquer hora do dia ou da noite, rapazes de fazer inveja aos galãs globais puxam ferros, correm como se fosse tirar a mãe da forca, levantam pesos, malham até o dedão do pé. Ao lado deles, garotas soltam suspiros para cada flexão de braços, lançam exclamações para cada bíceps trabalhado, fazem votação para definir qual peitoral é o mais sarado. Deixo tudo para elas. Tais rapazes não merecem um segundo olhar meu. Para mim, músculo em excesso é inversamente proporcional à inteligência”.

    Pronto! Chegamos ao ponto principal da coisa: inteligência. Não querendo julgar, mas já condenando... Algumas pessoas simplesmente esquecem que mais do que ter um corpo apresentável, é necessário ter conteúdo, enfim, se expressar e surpreender.

    Converse com um “maromba” para você constatar o que eu digo! Eles simplesmente só falam em corpo, massa, academia, peso... O que era para ser algo legal (preocupar-se com a saúde) acaba se tornando um saco.

    E não vamos criticar apenas os homens. Nas redes sociais, o que mais vemos são meninas mostrando o belo corpo e queimando a imagem. Você acha que mulher inteligente vai pegar uma câmera/celular, tirar foto do glúteo e postar na internet? Sinceramente, acho que não. Claro que o que é bonito é para se mostrar, mas creio que tem o momento e o local certo para tal atitude.

    Talvez eu esteja divagando e fugindo do assunto, mas é que eu ainda prefiro as antigas conquistas, aquelas onde bate o nervosismos e você fica com medo de um não. Mas hoje, se você tem um corpo malhado, a chance de receber um fora é muito pequena.

    A verdade é que malhar virou moda! Antes de pensar na saúde, muitos já pensam em quantas “gatas” vai pegar na balada por ter um corpo, digamos, legal. A verdade (again) é que as pessoas esquecem de analisar o conteúdo, focando apenas na qualidade do corpo.

    Pense nisso!


    Adriel Christian é estudante de Direito e Repórter do Portal O Norte.

    - Os textos dos nossos colunistas não representam a opinião do site, mas deles próprios. Através dos comentários, você poderá discordar ou concordar. O espaço é livre a todos!

     

  • Escritora do Estado do Tocantins lança seu segundo livro

    CULTURA - 02.08.13 07h56

    Da Redação


     

    Nessa quinta-feira, 01, foi publicado o segundo livro da escritora e pedagoga, Ariela Pereira, de 40 anos, em Tocantinópolis. Intitulado “Irresistível Paixão”, o obra trata-se de um romance contemporâneo, cuja narrativa traz em seu contexto a estória da irrefreável paixão entre uma rica herdeira carioca e um perigoso traficante de drogas.

    Ao Portal O Norte, a escritora disse que, para dar maior realismo à narrativa, esteve em um baile funk em uma favela carioca, onde descreve detalhadamente tudo o que presenciou por lá. A obra encontra-se à venda, por apenas $ 22,50 na Livraria Virtual da EdEditora Aped.

    Predestinados 

    Além de “Irresistível Paixão", Ariela também publicou o livro “Predestinados” em maio de 2012. "Um romance fictício intrigante e envolvente, que reúne a paixão, o suspense, a ação e o mistério em uma mesma narrativa", descreve

    Perfil

    Nascida em 1973, em Araguaína, no interior do estado do Tocantins, Ariela Pereira reside atualmente, com seus dois filhos, na pequena cidade de Tocantinópolis, situada às margens do rio Tocantins. Um lugar marcado pela preservação de antigas tradições e por belas paisagens naturais que atraem turistas de todo o país em determinado período do ano.

    Formada em Pedagogia, pela Universidade Federal do Tocantins, Ariela atua como educadora na rede municipal de ensino. Tem verdadeira paixão por literatura, particularmente pelo romance e suspense, inteligentes e bem elaborados.

    Desde a infância, aprecia a leitura e produção destas belas obras literárias, tento substituído as peculiares baladas adolescentes pela introspecção da leitura e da escrita, o que contribuiu para a formação de sua personalidade tímida e introvertida.

  • Aceitar é necessário!

    ARAGUAÍNA - 01.08.13 08h10

    OPINIÃO


    Vivemos em um mundo tão egoísta, cheio de pessoas mesquinhas que se sentem as donas da verdade, quando a única coisa que sabem fazer é contra-atacar alguém com críticas e mais críticas. 'Tá' aí uma coisa que a sociedade precisa: pessoas críticas de verdade, não essas que fingem ser.

    Não é novidade para ninguém que pessoas corajosas expõem a sua opinião sem medo de retaliações ou discussões sobre o tema, no entanto, é mais que necessário (para não dizer obrigado) ter muita cautela ao pronunciar/escrever certas palavras, pois as mesmas podem ser interpretadas de forma contrária.

    Uma das principais dificuldades do ser humano é ouvir, já que ele simplesmente age por impulso, não calcula o peso que certas ações podem ter, e daí gera as discussões que partem para o lado pessoal, e acabam em baixaria.

    Ninguém é obrigado a aceitar a opinião do outro, contudo, pessoas educadas sabem respeitar a posição alheia e defender o seu pensamento com cautela e elegância. Mas, infelizmente, não é bem isso que vemos por aí. Durante as discussões, cada um quer defender seu lado, suas ideologias e no fim, acaba se enrolando e criticando a outra pessoa, assim não sendo possível ter um diálogo saudável. Resumindo: muda todo o foco da história.

    O que podemos fazer para resolver o problema ou aprender a lidar com as opiniões contrárias? Simplesmente aceitar a opinião alheia, ou no mínimo respeitar.

    Nós sabemos que você pode passar o ano inteiro criticando alguém, pedindo para ela mudar de opinião, porém, ela só fará isso quando perceber que está errada. Por que pessoas inteligentes não são influenciadas, mas são influências para outros indivíduos.

    Portanto, antes de sair por aí escrevendo/falando asneiras, verifique se você tem argumentos suficientes para defender as suas ideias. Porque criticar é fácil, apresentar argumentos válidos não.
     


    *Adriel Christian é estudante de Direito e Repórter do Portal O Norte.

    - Os textos dos nossos colunistas não representam a opinião do site, mas deles próprios. Através dos comentários, você poderá discordar ou concordar. O espaço é livre a todos!

  • Adianta realizar protestos no país? Talvez!

    15.07.13 09h06

    Opinião


    Já faz um mês que jovens de todo o mundo encabeçam vários movimentos que visam a melhoria, entre outras coisas, nos transportes públicos, saúde, educação e o fim da corrupção.

    No Brasil, por exemplo, grande parte desses protestos são pacíficos e visam um bem comum: que o governo não veja os jovens apenas como um cidadão qualquer, mas como pessoas que podem fazer a diferença.

    Indo além, se voltarmos para a nossa realidade, veremos que o povo de Araguaína também está começando a acordar e perceber que "o povo unido jamais será vencido". 

    A cidade cresceu e juntamente com ela os cidadãos estão deixando de ser alienados, o que é ótimo. Os problemas que todos nós sabemos que não serão resolvidos de uma hora para a outra são vários, mas já vêm de muitos anos, não surgiram, como muitos dizem, “de uma hora para a outra”. Portanto, acho que mais que necessário protestar, mas protestar de forma correta e organizada.

    Sobre as manifestações, não é preciso muitos argumentos para perceber que elas foram realizadas por impulso e de forma desorganizada.  É que eu acredito que antes mesmo de irmos às ruas protestar contra o governo, devemos fazer uma minuciosa análise na nossa vida e detectar aspectos que nós mesmos provocamos para que as coisas tenham chegado a esse ponto. Por exemplo: como você vai às ruas protestar contra o fim da corrupção se você mesmo a apoia ao eleger políticos desonestos?

    O brasileiro acordou realmente, mas acordou na hora errada. As eleições de 2014 estão chegando e eu sei que ninguém lembrará dessas manifestações e das promessas que muitos políticos fizeram durante os protestos. Ou não, né? Estarei torcendo para que a nossa nação nos surpreenda no próximo ano.

  • Casamento gay: não aceite, mas respeite-o

    Por: Adriel Christian - 17.06.13 08h35

    Em maio deste ano o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) determinou que todos os cartórios do Brasil passassem a concretizar a união civil entre pessoas do mesmo sexo, o casamento gay.

    Porém, de lá para cá o que mais se vê são pessoas completamente preconceituosas e ignorantes. Para comprovar este fato, basta conferir os comentários homofóbicos postados na matéria que o Portal O Norte publicou na semana passada, onde o primeiro casal gay da cidade oficializou o relacionamento.

    É claro que a decisão vai contra as ideias dos conservadores e defensores de uma família constituída por um homem e uma mulher. Contudo, ao meu ver, uma família é composta por pessoas que querem dividir um lar, compartilhar objetivos e sentimentos.

    Muitos dizem que o casamento gay é uma “aberração”, “coisa de outro mundo”, “fim dos tempos”, “coisa de doentes”... Mas não! O casamento sempre foi, e continuará sendo, uma forma de concretizar o amor, selar um compromisso entre duas pessoas do mesmo sexo ou não.

    Mais do que nunca, este é o momento em que os homossexuais devem se juntar para continuarem cobrando os seus direitos, já que a própria legislação diz no caput do art. 5º da Constituição Federal: todos somos iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza. Ou seja, aqueles que ainda se sentem segregados devem sim exigir que seus direitos sejam colocados em prática.

    No campo religioso, se o casamento gay é ou não pecado, só Deus poderá dizer e condenar a união. A verdade é que nós não somos puros e as pessoas certas para afirmamos o que está certo ou errado. Há outra coisa para julgarmos , como a roubalheira política, má distribuição de rendas e etc.

    O mundo é gay (alegre e jovem), você não? Ninguém é obrigado a aceitar um casamento entre duas pessoas, mas deve respeitá-lo. E se não quiser respeitar ou aceitar, não importa, os homossexuais mesmo assim continuarão existindo, ou como dirão eles: continuarão brilhando e estreando.

    Texto de Adriel Christian (repórter do Portal O Norte e estudante de Direito)
     

Anterior 1 2 Próximo