Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Por onde começar?

23/07/2013 09h00 | Atualizado em: 23/07/2013 09h07

Queridas mamães, essa é a pergunta que mais os atormenta quando sabemos que estamos grávidas. Procuramos por tudo ao mesmo tempo e agora: exames, enxoval, quarto do bebê, chá de fraldas, nomes, etc. Uma infinidade de dúvidas surgem e o que temos que fazer?

Antes de tudo (tudo mesmo!) procura uma obstetra e vá fazer uma consulta. Sim, não adianta ficar especulando sobre seu bebê, se você nem ao menos fez uma ultrassonografia para saber a quantas anda sua gestação.

Da minha experiência materna posso dizer que (depois do susto) fui à médica no final do segundo mês de gestação e fiz vários exames (veja lista abaixo). Cada um tem sua importância e dei uma pesquisada para mostrar para vocês.

Fiquem calmas! Durante o próximo “ano” vocês terão muito o que aprender, escolher e descobrir. É simplesmente maravilhoso e não há nada (e nem ninguém) que pode tirar isso de vocês. Entreguem-se...

Eis a lista de (possíveis) exames que seu/sua obstetra poderá pedir (se não tiver plano de saúde, vá ao SUS ou prepare o bolso):

Hemograma completo

Detecta anemia e infecções. A mulher precisa estar em jejum de três horas. “Esse exame dever realizado mensalmente durante a gestação”, afirma o ginecologista e obstetra Marco Antônio Lenci, do Hospital Albert Einstein, em São Paulo.

Glicemia

Útil para detectar intolerância à glicose e diabete. Será repetido na 26ª semana de gravidez, quando o corpo apresenta mais dificuldade para assimilar o açúcar. Realizado em jejum de oito horas.

Sistema ABO e fator Rh

Verifica o tipo de sangue e se o fator Rh é positivo ou negativo. Caso a mulher seja Rh negativo e o homem Rh positivo, há o risco de o corpo dela produzir anticorpos contra o sangue do bebê. Com esse exame, é possível impedir a produção dos anticorpos com medicação específica.

HIV (vírus da imunodeficiência humana)

Mostra a presença do vírus que causa a aids. A gestante precisa autorizar sua realização.

Sorologia para rubéola

Avalia se a mulher tem imunidade contra o vírus da rubéola (extremamente grave para o feto), seja por vacina, seja por ter tido contato com a doença. Realizado em jejum de três horas.

Reação para toxoplasmose

Acusa se a grávida já teve alguma infecção causada pelo protozoário Toxoplasma gondii. Esse microorganismo pode provocar danos nos nervos e na visão do feto. Realizado em jejum de oito horas.

VDRL

Essa é a sigla em inglês para venereal disease research laboratory, que, em tradução livre, significa algo como pesquisa laboratorial de doença venérea. Como o nome denuncia, é útil para detectar problemas como a sífilis. A bactéria por trás desse mal, a Treponema pallidum, pode provocar aborto, parto prematuro e más-formações caso a mãe seja portadora do microorganismo.

Sorologia para hepatite B e C

Mostra a presença dos dois tipos de vírus.

Sorologia para citomegalovírus

Indica se a paciente já foi infectada ou não pelo vírus.

Urina

Revela a presença de uma eventual infecção urinária e, segundo o obstetra Marco Antônio Lenci, do Hospital Albert Einstein, em São Paulo, também pode ser útil na detecção de proteínas em gestantes hipertensas – o que indica a presença de pré-eclampsia. Também é válido para o acompanhamento de grávidas diabéticas. Deve ser realizado com a primeira urina da manhã ou após três horas sem urinar. Isso para que o líquido esteja com concentração adequada para ser examinada.

Fezes

Verifica se há parasitas no intestino. Não há uma razão específica, mas deve ser realizado no início da gravidez, em três dias diferentes.

Ultra-sonografias

Normalmente são feitas quatro ultra-sonografias durante os nove meses. No primeiro trimestre da gravidez, o exame checa o número de embriões e sua localização — se estão dentro do útero e não nas trompas. Entre a 12ª semana e a 14ª semana, calcula, além do desenvolvimento, o tamanho da nuca do bebê (translucência nucal) e a medida do osso nasal, parâmetros que indicam o risco de síndrome de Down. Como em 25% dos casos a translucência pode resultar em falso negativo, alguns obstetras pedem um exame de sangue específico para identificar o problema.

Teste de diabete gestacional

Por volta da 24ª semana, faz-se um exame de sangue para avaliar o nível de glicose no sangue. Se o resultado der alterado, recomenda-se um exame mais completo, com sobrecarga de açucar.

*Informações técnicas dos sites Revista Crescer e Brasil Baby Center. 

Compartilhe

Os comentários aqui postados são de inteira responsabilidade de seus autores, não havendo nenhum vínculo de opinião com a Redação da equipe do Portal O Norte

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Facebook

Twitter

Vc é o Repórter

Tem uma reportagem, fotos, vídeos, histórias ou curiosidades?

Mande para nossa redação. Seja você o REPÓRTER.