Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Estado

Sindepol questiona mudanças na Polícia Civil após inquérito aberto contra Olyntho

06/12/2018 10h11 | Atualizado em: 06/12/2018 10h50

Divulgação
Mozart Félix, presidente do Sindepol.

O Sindicato dos Delegados de Polícia Civil do Estado do Tocantins – SINDEPOL/TO, encaminhou nota à imprensa repudiando as últimas ações do governo relacionadas à Polícia Civil e classificando a extinção de delegacias e nomeação de novos delegados regionais como mais um ato de "perseguição e ingerência política".

No dia 16 de novembro de 2018 os Delegados Regionais de todo o interior foram dispensados de suas funções. O Sindepol explica que os Delegados Regionais são responsáveis por gerir a rotina administrativa da Polícia Civil no interior, o que significa atuação em gestão de pessoas, patrimônio, solução de demandas urgentes, organização dos trabalhos e coordenação e suporte de operações decorrentes de nossa atividade-fim.

O sindicato afirma que as dispensas ocorreram como forma de perseguição política depois que a família do Deputado Olyntho Neto se tornou alvo de investigação no escândalo do lixo hospitalar e observou: "Pois bem, hoje, um dia depois de ser instaurado inquérito policial contra o próprio Deputado, o Governo do Estado do Tocantins resolve publicar no Diário Oficial o novo organograma da Polícia Civil, sem retornar os Delegados Regionais que foram dispensados no dia 16 de novembro e ainda reduzindo de 13 para 8 as Delegacias Regionais de Polícia no Interior".

Para o Sindepol, tal medida prejudicará sobremaneira o trabalho da Polícia Civil do Tocantins, posto que temos um estado com dimensões continentais e haverá cidades que ficarão mais de 400 km distantes da sede de sua Delegacia Regional e acrescenta que "O  Sindepol enviou ofício para o Delegado Geral de Polícia na última segunda-feira, 03, justamente falando sobre a importância da manutenção das 13 Delegacias Regionais e da recondução dos Delegados Regionais dispensados em novembro".

O Sindicato lembrou ainda que no último dia 23 de novembro, o então Secretário da Segurança Pública, Heber Fidelis, esteve na sede do Sindicado dos Delegados de Polícia do Estado do Tocantins e participou da Assembleia Geral Extraordinária da categoria: "Na ocasião o Secretário solicitou aos Delegados que apoiassem a escolha dos nomes do atual Delegado-Geral, Subsecretário da Segurança e Diretor de Polícia da Capital, nos garantindo que os escolhidos teriam autonomia para escolher os nomes dos demais ocupantes de cargo de gestão da Polícia Civil e se comprometeu ainda que essa equipe formaria uma gestão de transição entre o atual modelo e a Polícia Civil do Estado do Tocantins autônoma". 

Com a publicação do DOE desta quarta, o Sindicato diz que "fica claro o desrespeito do governo do estado para com a Polícia Civil, os Delegados de Polícia e toda a sociedade. Restademonstrado também que nunca houve real intenção de reforma administrativa na Polícia Civil, mas tão somente a vontade de dificultar os trabalhos da Polícia Judiciária" e acrescentou "É justamente contra esse tipo de comportamento que lutamos. Queremos uma Polícia Civil autônoma, que possa investigar crimes sem importar quem sejam os criminosos".

A nota assinada pelo presidente Mozart Félix, encerra aformando: "Somos Polícia de Estado, querem nos fazer uma polícia de cabresto, não conseguirão. Em todo o país a sociedade clama por uma mudança profunda de paradigmas, por um rigoroso combate à corrupção que historicamente prejudica nosso povo em seus direitos mais básicos. A população do Tocantins pode contar com o trabalho de seus Delegados de Polícia Civil no cumprimento desta missão", pontuou.  

Compartilhe

Os comentários aqui postados são de inteira responsabilidade de seus autores, não havendo nenhum vínculo de opinião com a Redação da equipe do Portal O Norte

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Facebook

Vc é o Repórter

Tem uma reportagem, fotos, vídeos, histórias ou curiosidades?

Mande para nossa redação. Seja você o REPÓRTER.