Impresso em: 15/12/2018 19:56:41
Fonte: http://portalonorte.com.br/plantao190-88318-filha-de-ex-procurador-do-tocantins-e-presa-e-irmao-esta-foragido.html

Filha de ex-procurador do Tocantins é presa e irmão está foragido

05/12/2018 11:54:33

Mazim Aguiar/Reprodução
Advogada investigada pela Polícia Civil foi presa em casa.

A Polícia Civil realiza nesta quarta-feira (05), uma operaçao que apura desvio milionário no município de Lajeado, região central do Tocantins. Dois filhos do ex-procurador geral de Justiça, Clenan Renaut, são alvos da investigação. Juliana Bezerra de Melo Pereira e Fábio Bezerra de Melo Pereira são advogados e prestavam serviços para a prefeitura. 

Entenda

Os irmãos atuaram em um processo em que a Prefeitura de Lajeado pedia que o Governo do Estado pagasse valores maiores no ICMS. A gestão municipal queria ser indenizada pela construção da Usina Hidroelétrica Luís Eduardo Magalhães, que fica no rio Tocantins.

O fato ocorreu em 2014, mas o caso está na Justiça desde 2016, na época o município estava na gestão da prefeita Márcia da Costa Reis Carvalho.

A Justiça concedeu uma indenização de R$ 200 milhões para a prefeitura, mas o caso ainda estava nos tribunais e o pagamento poderia demorar anos. Para acelerar a questão, a prefeitura queria fazer um acordo com o Estado e abrir mão de metade do valor para receber os R$ 100 milhões restantes imediatamente. Contudo, para que o acordo fosse possível de ser concretizado, os vereadores de Lajeado deveriam aprovar a proposta da prefeitura.

Neste caso, os advogados são acusados de comprar votos de parlamentares para que criassem uma nova lei permitindo a concretização do acordo de indenização. Os honorários a serem recebidos pelos advogados seria de R$ 200 mil reais, valores estes que estariam acima da viabilidade financeira do município. 

Operação de Hoje

Juliana está presa e acompanhou com policiais o cumprimento dos mandados de busca e apreensão no escritório de advocacia localizado na Quadra 101 Sul em Palmas. Fábio estaria em Goiânia e também tem mandado de prisão contra ele mas até o momento o advogado não foi localizado. 

Na decisão proferida pelo juiz Alan de Ribeiro, também foi determinada a suspensão dos registros dos advogados junto à Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). 

Em julho desse ano, a Justiça bloqueou R$ 120 milhões das contas dos advogados. Além do bloqueio dos bens, o juiz determinou ainda a quebra dos sigilos bancário e telefônico dos envolvidos nos últimos quatro anos.