Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Heltinho garante: "Valuar ainda fará importantes obras em Araguaína"

Da Redação


A equipe de reportagem do Portal O Norte entrevistou nesta quinta-feira, 27, o presidente municipal do partido PMDB e chefe de gabinete da prefeitura de Araguaína Helter Dantas, mas conhecido como Heltinho.

Na exclusiva, o peemidebista falou sobre a situação do partido no município, expectativas de projeções do PMDB nas próximas eleições, bem como sobre comentários expostos pela imprensa local, que distorcem, segundo o presidente, as verdadeiras concepções de fatos ocorridos.

Representações
De acordo com o presidente do PMDB, Heltinho Dantas, o partindo vem seguindo forte e muito bem representado no município. São quatro vereadores, dentre eles o presidente da Câmara, Elenil da Penha que foi reeleito para mais um mandato na Casa, além do vice-prefeito Amilton da Caixa que recentemente deixou a Secretaria de Administração do Município e permanece na gestão com o cargo de vice do prefeito Valuar (DEM).

Eleições 2012
O PMDB é um partido forte no Estado, porém há muito tempo não disputa a candidatura para prefeito em Araguaína. Segundo as palavras do presidente, nas próximas eleições de 2012 para prefeito será diferente. Ele afirma que o partido já articula movimentações e reuniões em torno da escolha de um candidato forte para representar o partido na campanha e cita alguns dos possíveis nomes a pleitear o cargo: “O PMDB tem grandes nomes, como o do nosso nobre vereador e presidente da Câmara, Elenil da Penha, além de Jorge Frederico e do próprio vice-prefeito Almilton da Caixa. Estes são nomes que, com certeza, podem estar à frente de uma eventual candidatura”, Heltinho também esclarece que tudo será uma questão de acordo “Sempre nas candidaturas existem negociações políticas onde se apura quem está melhor colocado. Sendo assim, queremos na época das convenções poder contar com estes possíveis candidatos”, fala Heltinho Dantas.

Derrota nas eleições de 2010
Os votos angariados na campanha de Gaguim na cidade de Araguaína, o segundo maior colégio eleitoral do Estado, refletiu a derrocada do candidato nas eleições, pois mesmo tendo ao seu lado a ex-prefeita, Valderez Castelo Branco (PP), Carlos Gaguim não obteve a maioria dos votos. Em uma rápida análise dos fatos, Heltinho Dantas justifica: “A democracia é soberana então não queremos aqui por culpa em A nem B. Quem escolheu foi o povo e se a maioria achou que seria melhor o outro candidato, que hoje é o governador Siqueira Campos (PSDB), temos que respeitar a decisão popular e seguir com essa nova administração” e completa “Não somos oposição de jogar pedra na vidraça, somos um partido de composição e queremos sempre o melhor para o Tocantins e Araguaína”.


Controvérsias sobre Amilton da Caixa
Recentemente um veículo de comunicação local, noticiou que como chefe de gabinete, Heltinho Dantas teria demitido o então secretário da administração, Amilton da Caixa. Heltinho foi incisivo ao negar as afirmações exibidas no site: “Jamais procederia uma informação como essa, até porque eu não tenho esse poder de demitir ninguém. Houve sim, uma vontade do Amilton de trabalhar mais as relações institucionais e ele mesmo pediu para o prefeito, pela quinta vez, para deixar a administração que segundo ele, era um cargo que ocupava muito seu tempo. E mais, Amilton é meu amigo pessoal e meu relacionamento com ele é muito bom, independente de questões políticas e partidárias”, diz.

Ilegalidade partidária
Outra informação noticiada pelo mesmo veículo foi a de que Heltinho não poderia assumir cargo de confiança ou qualquer Secretaria ao mesmo tempo em que é presidente municipal do PMDB. Mais uma vez, ele expressa sua contrariedade aos fatos expostos e esclarece “Eu estou dentro da legalidade do meu partido, sou chefe de gabinete e não secretário, portanto, não tenho nenhum impedimento com relação a isso, que não passa de boato jogado na imprensa de forma irresponsável. Temos toda a documentação necessária para comprovar a veracidade do que estou afirmando”, diz o presidente.

Expectativas administrativas
Tratando sobre administração pública, Heltinho explica que nos dois primeiros anos da gestão de Valuar, a prefeitura precisou passar por ajustes, mas garante que a partir deste ano, a população irá notar grandes mudanças na cidade: “Nesses últimos dois anos, trabalhamos bastante e agora estamos com a máquina enxuta, pronta pra ter grandes investimentos. Valuar tem viajado constantemente atrás de recursos em Palmas e Brasília e vamos começar a partir de agora, colher os frutos das ações do prefeito e seu secretariado nestes dois últimos anos de mandato”, garante.

Além das mudanças, Heltinho diz que já existem sinalizações de uma parceria entre o Governo do Estado e a Prefeitura, nessa nova administração de Siqueira Campos e finaliza dizendo “Queremos Araguaína pujante no desenvolvimento em todas as áreas: econômica, social e política e pra isso nós temos trabalhado com afinco”, pontua.

 

Bethânia rejeitou a proposta de ser candidato da base aliada.

Bethânia afirma “Não sou cachorro pra assumir candidatura em última hora”

Nem Gipão (PR), Terezona (PR), Bethânia (PP) e nem Gideon (PMDB), o favorecido ao pleito e reeleito presidente da Câmara Municipal de Araguaína foi o vereador Elenil da Penha (PMDB), graças ao vereador Marco Aurélio, o Baldão (DEM), que deixou de apoiar Gipão para dar o voto minerva no último momento ao atual presidente.

À boca pequena comentam-se os motivos pelos quais o vereador “abandonou o barco” da base aliada e projetou a eleição de Elenil: Baldão, nada mais nada menos que: “deu o troco” no vereador Gipão, pois este há dois anos havia feito o mesmo com ele. Portanto, depois de fechado a proposta de eleger o candidato siqueirista, Baldão mandou “às favas” seu apoio a Gipão e elegeu Elenil.
 

Sentindo então um clima de rivalidade no ar, observamos as controvérsias das falas dos candidatos em suas entrevistas ao Portal com a realidade exposta “nua e crua” minutos antes da votação. Bethânia afirmou que “Ninguém aqui é inimigo de ninguém” e Gideon ressaltou a forma “harmoniosa” com que se trabalhavam os vereadores. Mas no final das contas, duas chapas e em cima da hora, Baldão revela sua fria vingança contra Gipão.


Mas alguém poderia ter mudado o rumo desta história: o vereador Divino Bethânia. Poderia, mas não mudou e em entrevista exclusiva ao portal O Norte explicou claramente os motivos que o levaram a não ser o candidato representante da sua base aliada.
 

Relembrando

Bethânia se colocou como forte candidato até o último momento, mas explica que às 23h:00 da noite que antecedeu a eleição, retirou sua candidatura e selou um acordo com o vereador Elenil da Penha para apoiá-lo e fazer parte de sua chapa como 1º secretário. “Eu sempre trabalhei com o consenso desde o início e o consenso caminhava ou para o Elenil votar em mim para presidente ou eu votar nele”, disse.


Com o acordo, Bethânia garantiu que seu grupo político e partido estivesse representado na chapa: “Pela representatividade do meu grupo que é o do governador Siqueira (PSDB), eu aceitei a proposta sem nenhum atropelo, mágoa e com muita tranqüilidade” afirma.


Bethânia explicou mais dois dos principais motivos que o levaram a não apoiar seus aliados. Primeiro ressaltou que, baseado em suas convicções, ideais e perfil de trabalho, o seu apoio seria para o vereador Elenil por qualificá-lo como mais transparente que o adversário: “Eu quero que os balancetes sejam votados, quero que haja transparência no serviço público de Araguaína e continuar cobrando da gestão Municipal o serviço que nossa cidade precisa e o acordo que eu tenho com Elenil nesse tipo de tema é a liberdade para continuar fazendo aquilo que eu faço: criticando quando tenho que criticar e votando favorável quando for preciso” pontuou.


Bethânia lembra que os balancetes citados que precisam ser votados incluem os da gestão da ex-prefeita Valderez Castelo Branco (PP), daí o motivo pelo qual ele se refere à necessidade da transparência duvidosa por parte do Gipão se ele fosse eleito presidente, isso porque segundo Bethânia, há uma forte ligação política entre o vereador e a ex-prefeita.

Outro motivo que Bethânia ressaltou resumiu-se em apenas uma frase: “Não sou cachorro pra assumir candidatura em última hora”, mas ele explica: No dia da votação, quarta-feira, 15, quando o grupo que apoiava a candidatura de Gipão se viu sem saída com a debandada de Baldão, recorreu a Divino Bethânia, que nem titubeou para dar a resposta, “Simplesmente disse não! Já havia selado um acordo com Elenil e acredito que foi a melhor escolha que pude fazer” finaliza.

Por fim, a eleição que era dada como certa na Câmara pelo grupo siqueirista foi desarticulada e “voou pelos ares”, juntamente com o apoio de Baldão ao vereador Gipão.
 

Gipão comprimenta Elenil pela vitória

Os bastidores da reeleição de Elenil da Penha

Fator 01
Primeiro o dom da articulação que é inquestionavelmente nato no vereador Elenil da Penha (PMDB). “Se fez de morto”, não colocando o nome à disposição em nenhum momento na disputa pela presidência da Casa.

Fator 02
À Frente da Câmara por dois mandatos, Elenil desempenha um trabalho brilhante e elogiado por todos os pares daquela casa. Implantou várias benfeitorias aos servidores, acabou com a “farra” de diárias para viagem de vereadores e com isso conseguiu dar melhor visibilidade à Câmara.

Baldão foi o responsável
O vereador do partido Democrata, Marco Aurélio (Baldão) foi o grande responsável pela reeleição de Elenil. Segundo a vereadora Terezona (PR), Baldão estava fechado com seu grupo que tinha como candidato à presidente o vereador Aldair da Costa, o Gipão (PR). Quando chegaram para a votação o vereador já avia declarado apoio a chapa encabeçada por Elenil.

Situação desconfortável
O vereador se coloca em uma situação nada confortável, de acordo com as insinuações de Terezona, ele traiu seu grupo político muito provavelmente para agradar o seu mentor político, deputado federal eleito César Halum (PPS), que na última eleição fez dobradinha com Elenil em Araguaína.

Bethânia foge da raia
Ainda segundo Terezona (PR), quando viram que a candidatura de seu grupo tinha ruído, foram tentar um acordo com o vereador de seu grupo Divino Bethânia Júnior (PP), com a proposta de que a partir daquele momento, Gipão desistiria de sua candidatura para apoiar Divino como candidato à presidência da casa. Com isso o grupo siqueirista voltaria a ter seis votos, o necessário para elegê-lo, já que o colegiado é formado por onze vereadores.
 

Vereador Marco aurélio, Baldão (DEM)

"Marmelada" pode ter decido eleição na Câmara Municipal de Araguaína

No decorrer das semanas que antecederam a votação para eleger a Mesa Diretora que administrará no próximo biênio a Câmara Municipal deVereadores da cidade de Araguaína, quatro candidatos colocaram seus nomes à disposição na disputa: Gideon Soares (PMDB), Divino Bethânia (PP), Gipão (PR) e Terezona (PR) e durante esse período os candidatos, buscavam articular apoio às suas respectivas candidaturas.

Para completar, em entrevista ao Portal O Norte ontem, 14, a vereadora Terezona, afirmou que a eleição da Câmara estava garantida para o seu grupo. Porém, chegado o dia da votação nesta quarta-feira, 15, quando o grupo siqueirista acreditava que tudo estava a seu favor, acontece uma reviravolta.

Minutos antes da eleição, o vereador Elenil da Penha registrou sua chapa que entre os componentes estavam os vereadores Divino Bethânia e Gideon Soares, que abandonaram a disputa para apoiar sua candidatura.

Na base siqueirista, Terezona já havia retirado sua candidatura para apoiar o vereador Gipão, em um acordo feito na madrugada desta quarta-feira, 14: “Recebi uma ligação de lideranças do meu grupo político pedindo pra permanecermos na disputa apoiando Gipão”.

Mas o que definitivamente “pegou de surpresa” o grupo de oposição foi a debandada do vereador Marco Aurélio, Baldão (DEM) que segundo a vereadora Terezona em entrevista exclusiva ao Portal após a eleição, afirmou que ele mudou de lado em última hora: “Até as 2h:00 dessa madrugada, o Baldão estava conosco. Ontem nosso grupo tinha seis votos na Casa: Terezona, Baldão, Cleudo Negão, Alcivan, Gipão e o Gerônimo. Quando chegamos aqui hoje, Baldão disse que não iria mais apoiar”.

Dentro do grupo siqueirista, acredita-se que um dos motivos pelos quais Baldão mudou de lado seria sua ligação com o deputado federal eleito, César Halum, que fez dobradinha na eleição deste ano com o vereador Elenil, então candidato a deputado estadual.

Terezona ainda admite que a decisão do candidato atrapalhou os planos do grupo que em última hora recorreu ao candidato Divino Bethânia, oferecendo a ele a presidência. Este, por sua vez, rejeitou a proposta e decidiu apoiar o então presidente da Câmara Elenil e “Então não tínhamos mais o que fazer”, declarou a vereadora que ainda acrescenta que parte do grupo não concordava com a candidatura de Gipão e por fim, disse que faltou empenho das lideranças de seu grupo.

Essas últimas movimentações feitas pelo grupo da base governista em prol da candidatura de Elenil, foi extremamente decisiva na hora da votação que resultou em sua vitória na disputa. “Com tudo isso, ganhou o Elenil que sabemos que é competente e permanecerá na direção da Casa por mais dois anos” admite Terezona.


 



 

O peemidebista Elenil da Penha foi reeleito por um voto de diferença.

Elenil "dá rasteira" em grupo siqueirista e é reeleito presidente da Câmara

Pela terceira vez consecutiva, o vereador Elenil da Penha (PMDB) é eleito presidente da Câmara Municipal de Vereadores da cidade de Araguaína.

O consenso que os vereadores esperavam em torno de um único candidato para o pleito da Mesa Diretora da Câmara de Araguaína não aconteceu.

De acordo com entrevista exclusiva ao Portal o Norte, Terezona (PR, que era uma das candidatas à Mesa Diretora, declarou que, a eleição que favorecia o grupo do novo governo eleito [Siqueira Campos (PSDB)] era dada como certa até as duas da madrugada desta quarta-feira, 15, mas foi  desarticulada pela saída de Baldão do apoio antes declarado ao grupo siqueirista, o que resultou no voto que decidiu pela reeleiçaõ do candidato Elenil da Penha.

Minutos antes da eleição, duas chapas foram registradas e a disputa ficou entre os candidatos Elenil da Penha peemidebista da base do governo Carlos Gaguim (PMDB) e o vereador Aldair da Costa, o Gipão (PR) aliado do governador eleito Siqueira campos (PSDB).

O candidato Elenil da Penha anunciou sua candidatura em última hora e num acordo com aliados registrou a chapa que venceu por um voto de diferença a corrida à presidência da Casa.

(Em instantes mais atualizações)
 

Terezona acredita que a eleição da Câmara está nas mãos de Siqueira

A eleição da Câmara Municipal de Araguaína acontece amanhã, 15, e até agora os quatro candidatos que se apresentaram com a proposta de disputar a presidência da Casa mantém a posição firme na corrida ao pleito.


Porém, mesmo às vésperas da eleição, o momento é de incerteza relacionado ao que poderá ser decidido até a hora da votação. Os vereadores permanecem atentos à possibilidade de um consenso voltado para apenas um nome a ser escolhido entre os candidatos para administrar a Câmara.

O Portal O Norte entrevistou na manhã dessa terça-feira, 14, pouco antes do início da sessão na Câmara Municipal, a vereadora Terezinha Gomes da Silva, mais conhecida como Terezona (PR), que está cumprindo o seu 3º mandato no Legislativo e pela 1º vez coloca seu nome à disposição de concorrer à presidência.

Em sua declaração, Terezona explica que a rejeição do vereador Aldair da Costa, o Gipão (PR) foi um dos principais motivos de sua decisão em concorrer ao pleito. “Eu não decidi ainda no início, porque não havia necessidade, mas como eu percebi a resistência “lá de cima” [Governo eleito de Siqueira Campos], quanto ao nome de Gipão, me prontifiquei a disputar o cargo”, explica.


Terezona ainda afirma que apesar de Gipão fazer parte da base aliada de Siqueira Campos (PSDB), sua ligação com a ex-prefeita de Araguaína, Valderez castelo Branco (PP), que deixou o apoio de Siqueira Campos e candidatou-se como vice-governadora na chapa de Carlos Gaguim (PMDB) e consequentemente a falta de um posicionamento decidido do vereador relacionado ao apoio transparente do candidato de seu grupo ao governo estadual na campanha eleitoral de 2010, seriam os principais motivos pelos quais havia rejeição de seu nome dentro do novo Governo. Terezona completa dizendo “Acredito na adesão da minha eleição porque o pessoal do meu grupo político me quer como presidente da Câmara”.

A vereadora falou da possibilidade de Gerônimo Cardoso (PMDB) ser candidato e, por conseguinte eleito presidente da Mesa Diretora, mas argumenta que tem acompanhado e permanecido ao lado de Siqueira Campos há muitos anos e de lá pra cá tem se mantido fiel ao governador eleito. “Nenhum vereador aqui foi tão fiel quanto eu no que diz respeito ao apoio à carreira política de Siqueira, o acompanho desde 1982, quando foi eleito deputado federeal, mas se nossos superiores decidirem que o escolhido será o Gerônimo, eu irei votar nele” diz Terezona.


O vereador Gerônimo Cardoso, nas últimas eleições apesar de fazer parte do atual governo decidiu apoiar a oposição como candidato a deputado estadual no grupo siqueirista e mesmo não se colocando como candidato à presidência, de acordo com a afirmações de companheiros do seu atual grupo, é um dos nomes cotados com grande aceitação para possivelmente assumir a liderança da Mesa Diretora da Câmara. O vereador porém, evita falar sobre o assunto e afirma que só vai se pronunciar depois da eleição.

Dessa forma contrariando o que até agora foi negado pelos dois últimos entrevistados, Gideon Soares (PMDB) e Divino Bethânia (PP), a vereadora deixa explícito a interferência do novo Governo em ater-se à eleição da Câmara de Araguaína, com o objetivo de eleger um vereador da base aliada.

Falando ainda sobre a candidatura de Terezona, foi observado na entrevista dada pelo candidato Gideon Soares ao Portal o Norte no último dia, 11, que ele levantou um leve questionamento sobre a competência da candidata ao cargo. “Bom, eu conversei com a Terezona, e segundo ela se diz preparada pra assumir o cargo de presidente. Mas sabemos que não é tão fácil assim, a Câmara não se resume apenas em sessões, tem a questão administrativa que também é muito importante”diz Gideon.

O vereador Divino Bethânia em entrevista ao Portal O Norte nessa segunda-feira, 13, apesar de afirmar que Terezona tem qualificação suficiente para exercer o cargo, admite que sua forma de trabalhar é um pouco tímida “Terezona tem uma forma de trabalho mais tímida, mas tem qualificação pra ser presidente dessa Casa” observa Bethânia.

Finalizando a entrevista, a vereadora falou da expectativa sobre a escolha da nova Mesa Diretora e diz esperar que a decisão venha do novo governo.


Bethânia critica a gestão de Valuar e reafirma sua candidatura à Câmara

Há 1 dia da eleição da presidência da Câmara Municipal de Araguaína, os quatro vereadores que estão na disputa: Gideon Soares (PMDB), Gipão (PR), Divino Bethãnia (PP) e Terezona (PR), buscam nos bastidores, mecanismos e estratégias para obter a maioria de votos em plenário para enfim concretizar a eleição da proposta de Mesa Diretora. Os vereadores estudam até quarta-feira, 15, dia da eleição, a possibilidade de se formar um consenso em torno de apenas um nome para a direção da Câmara.

Nessa segunda-feira, 13, entrevistamos mais um candidato ao pleito, o vereador Divino Bethânia Júnior (PP), que exerce seu primeiro mandato no Legislativo.

Em entrevista ao Portal O Norte, Bethânia fala sobre a possibilidade de prevalecer o consenso na eleição da Câmara. “Acredito que o consenso vai prevalecer, existem vários nomes a serem apreciados, mas será um processo pacífico, não haverá grandes discussões sobre o tema”, disse.

Bethânia declara que sua candidatura continua “firme, forte e operante” e que já articula com aliados: “Alguns colegas já firmaram apoio à minha candidatura, então acredito que minha eleição pode sim, se tornar viável” garante.

O vereador também se diz preparado, se necessário, para votar de acordo com o consenso dos pares da casa “Estou disposto a votar em qualquer um deles sem restrição, assim como também a ter o apoio da Casa para ser eleito. Estou respeitando os outros candidatos e o possível consenso” afirma Bethânia.

Questionado a respeito do provável envolvimento de grupos políticos e do próprio Governo eleito na disputa da Câmara, o vereador descartou essa possibilidade: “A Câmara tem bastante autonomia e o Governo eleito do Estado está envolvido intensamente com a estrutura administrativa das Secretarias e Valuar então, tem tantos problemas no município de Araguaína, que não vejo a possibilidade de envolvimento político no momento”. Bethânia ainda completa que os membros do Legislativo têm trabalhado harmoniosamente, “Ninguém aqui é inimigo de ninguém. Cada um tem seu estilo e idéia de trabalho, mas não vejo isso representar nenhum risco de interferência na eleição”, esclarece.

Sobre a inesperada candidatura da única mulher que exerce nesse momento mandato na Casa, vereadora Terezona (PR), Bethânia demonstra admiração e respeito pela colega e afirma que ela tem competência suficiente para presidir a Câmara. “É muito louvável a vereadora se disponibilizar como candidata, tenho muita admiração como pessoa e vereadora por ela e eu não tenho receio algum de votar nela, se for preciso. Terezona tem uma forma de trabalho mais tímida, mas tem qualificação pra ser presidente dessa Casa” observa.

O vereador Divino Bethânia é conhecido pelos colegas por um perfil algumas vezes radical e quando perguntado sobre a possibilidade de ser analisado negativamente pela sua rígida postura como vereador ele explica “Temos que dar a César o que é de César. Se alguma postura minha foi encarada como radical foi porque a necessidade popular, ou seja, o interesse público, me obrigou a isso” e ainda completa “Uma coisa é estar no plenário, rebatendo, discutindo, criticando, cobrando e outra é ser presidente da Mesa, este tem que saber administrar as discussões e sabendo que são atribuições diferentes devemos separar isso. Portanto, como presidente minhas atribuições mudam, porém minhas idéias, responsabilidade, respeito à Lei, não vão mudar".

Ainda em entrevista, Bethânia, lembrando de sua postura radical com relação às duras críticas direcionadas ao prefeito Valuar Barros (DEM) relacionadas à sua administração, admite que deveria encontrar palavras “menos ofensivas”, o que não significa que ele mudou de opinião com relação à gestão do prefeito. “Eu disse que ele [Valuar] era incompetente e irresponsável, mas eu poderia ter usado palavras menos ofensivas, não que eu concorde com a forma com que Valuar administra...” e ressalta “... Represento o povo, portanto, não posso falar tudo o que vem à minha mente, pra defender os interesses públicos. O problema meu com o Valuar, não é pessoal e sim institucional, minha função é cobrar e fiscalizar o Executivo. Não estou aqui para bajular ninguém”, explica.

Falando ainda sobre a gestão do prefeito Valuar, Bethânia lembrou que a prefeitura tem uma administração com poucos programas aplicados e graves problemas estruturais: “Não estamos preparados, por exemplo, para eventuais fenômenos naturais, como o forte temporal que acometeu a cidade neste domingo e trouxe sérios prejuízos à população. Isso é reflexo da falta de planejamento e busca de aplicação de recursos que sanem esses problemas em nossa cidade”.

Voltando à eleição da Câmara, apesar da confiança e expectativa de ser eleito, Bethânia explica que até o dia da eleição muita coisa poderá mudar: “Se a eleição fosse hoje, acredito que teria suficiência para ser eleito, mas a eleição é quarta e até lá, muita coisa muda. Eu mesmo posso mudar meu voto”, pontuou.





 

Em véspera de eleição Gideon afirma que não desistirá de sua candidatura

Faltam cinco dias para a eleição da nova presidência da Câmara Municipal de Vereadores da cidade de Araguaína que acontecerá na próxima quarta-feira, 15. Porém alguns detalhes ainda estão sendo definidos, entre eles o possível consenso entre os candidatos de formarem uma chapa única.

Ao todo, quatro vereadores lançaram o nome para a disputa do pleito que atualmente é ocupado pelo vereador Elenil da Penha (PMDB), são eles: Gipão e Terezona, ambos candidatos do (PR), Divino Bethânia (PP) e Gideon Soares (PMDB). De hoje até a véspera da eleição, o Portal O Norte entrevistará os candidatos que disputam a sucessão da presidência da Câmara e conhece um pouco mais o perfil de cada um deles.

O primeiro a ser entrevistado, é o vereador peemidebista Gideon Soares, que atualmente ocupa pela segunda vez o cargo de vice-presidência da Casa. Gideon está em seu segundo mandato como vereador e também é presidente da União de Vereadores do Tocantins (UVT).

Gideon em entrevista, garante estar preparado para presidir a Casa e salienta que dessa vez ele não desistirá da disputa. O vereador lembrou que na eleição anterior por questões políticas desistiu da candidatura para apoiar Elenil da Penha, mas esse ano é diferente. “Na concorrência desse ano desenha-se um quadro político diferente do anterior, são mais candidatos então a disputa fica mais competitiva” afirma.

Sobre a vereadora Terezona ter se lançado candidata em última hora e sua possibilidade de ser eleita por influência de seu apoio ao governador eleito Siqueira Campos (PSDB), Gideon afirma não ser relevante a sua posição: “Acho que a candidatura de Terezona não influenciará na decisão dos vereadores, pois acredito que independente de quem vença, a presidência terá que procurar uma aproximação entre o Governo e a cidade de Araguaina que é a segunda maior do Estado, então, independente de partido precisa de parceria” explica.

Quanto à competência da candidata, Gideon explica “Bom, eu conversei com a Terezona, e segundo ela se diz preparada pra assumir o cargo de presidente. Mas sabemos que não é tão fácil assim, sabemos que a Câmara não se resume apenas em sessões, tem a questão administrativa que também é muito importante, a exemplo disso, vemos o respaldo de mesmo com as dificuldades administrativas da prefeitura, a Casa ter mantido o equilíbrio" diz.

Caso o vereador seja eleito, ele afirma que um de seus principais projetos é a busca de apoio do Governo Municipal e Governo do Estado para a construção de uma nova sede para a Câmara Municipal. Sua justificativa é motivada principalmente pela próxima campanha eleitoral quando o número de vereadores passará de 11 para 17. “Com essa mudança na próxima legislatura, é de suma importância que tenhamos um maior e mais adequado espaço físico para recebermos os futuros vereadores e até mesmo o trânsito aqui na região Central desafogaria mais com essa mudança” justifica.

Voltando à questão da disputa, Gideon não descarta a possibilidade de um consenso entre os candidatos. “Na verdade a eleição começa a minar realmente a partir de segunda (13), apesar de divergências políticas, os 11 vereadores trabalham de forma harmoniosa na Casa, portanto, existe a grande possibilidade de se formar uma chapa única” ressalta.

Questionado se seu nome seria bem cotado em meio aos colegas, Gideon afirma estar preparado seja qual for a decisão. “A chapa pode ter meu nome ou não, mais o que deixo bem claro é que estarei na disputa até a decisão final” pontuou.



Vereador Bethania pede desculpas à Valuar

A semana passada foi histórica para a administração do prefeito Valuar Barros (DEM), ele foi à Câmara Municipal prestar contas dos pouco mais de 20 meses de sua gestão frente ao executivo municipal. Valuar ainda contou com a companhia de praticamente todo o primeiro e segundo escalão de sua administração.


Poucas falas
Barros, como todos já esperavam, pouco falou de dados específicos, quando era pressionado por algum vereador com pedidos de explicações sobre convênios, logo passava a bola para um dos seus secretários.

 

Destaque

Mais quem se destacou mesmo foi o secretário da Fazenda de sua gestão, seu sobrinho Clóvis Júnior, que está desde o início de seu mandato à frente da Secretaria da Fazenda. Júnior conseguiu responder de forma clara e dinâmica os questionamentos dos vereadores.


Super secretário
Clóvis tem conseguido se destacar à frente da Secretaria da Fazenda, no início foi muito criticado por ser sobrinho de Valuar e teve que provar ser competente para estar à frente da pasta, coisa que ninguém dúvida hoje. Júnior que além de cuidar das finanças do município, também se tornou uma espécie de super secretário, coordenador da administração do prefeito Valuar.
 


Discurso paz e amor

O vereador que era a maior pedra no sapato do prefeito parece ter mudado de comportamento, estou falando do vereador Divino Bethânia (Foto) que entre outras coisas, afirmava que Araguaína não tinha administração. O vereador aproveitou a estada de Valuar na Câmara, para pedir desculpas pela forma grosseira que anteriormente tratara o prefeito, afirmou ainda que tomou esta nova postura após ouvir os conselhos de seu colega vereador e presidente da casa Elenil da Penha (PMDB) com isso passou a ter um discurso do tipo “paz e amor”.



Conselheiro?

O estranho na revelação de Divino é que esse conselho venha logo de Elenil, que iniciou sua carreira política no movimento estudantil e como vereador por muitos anos manteve uma postura radical perante seus adversários, ou seja, quase todos os políticos da época, já que Elenil não era um homem de muitos aliados.


Perdeu o rumo
Falando de administração, quem parece que perdeu o rumo foi o governador Carlos Gaguim (PMDB), ele tem deixado de honrar compromissos com fornecedores, funcionários e aliados políticos.

 

Sem prestígio
Gaguim que recentemente esteve em Araguaína para visitar as obras do aeroporto da cidade e reclamou da ausência de seu Secretário de Obras, afirmou ainda que isso acontece porque ele perdeu as eleições, do contrário os secretários, estariam ali presentes.


Em maus lençóis

O governador está em uma situação extremamente difícil, a sua gestão termina com o total descrédito da população, mostrou ineficiência na coordenação de seu pessoal e pode amargar uma dura derrota em sua imagem política.


Os gestores do PMDB
Todos os peemedebistas que administraram o Estado tiveram dificuldades em encerrar suas gestões, Avelino (PMDB), no final de seu mandato deixou o funcionalismo sem receber, Marcelo Miranda (PMDB) teve seu mandato cassado após várias denúncias de irregularidades e Gaguim só Deus sabe como vai entregar o Estado.
 

Infiel

O vereador Gerônimo Cardoso, candidato a deputado estadual pelo PMDB, está numa situação realmente confortável: resolveu de última hora ser infiel ao seu partido e ao invés de apoiar o candidato à reeleição, governador Carlos Gaguim (PMDB), resolveu apoiar o seu antigo “desafeto político” Siqueira Campos (PSDB).


A escolha...
Que Gerônimo está “bem arrumado” é evidente. Hoje é a única liderança araguainense expressiva que apóia Siqueira ao governo do Estado na cidade.
 

Outros
Além de Gerônimo, os únicos apoios de lideranças que Siqueira tem são de: Ronaldo Dimas (PSDB), que já sofreu duas derrotas seguidas, uma para a reeleição à Câmara Federal e a outra na última eleição de 2008 à prefeitura de Araguaína. Também quem está ao lado de Siqueira em Araguaína é o empresário do ramo farmacêutico, Josué Luz (PSDB), que já pleiteou uma cadeira na Assembléia Legislativa em 2006, porém não alcançou êxito. A única liderança com mandato que o apóia é a vereadora Terezona (PTB). O restante são ex-vereadores e alguns poucos líderes de bairros.

Bons tempos...
Isso nem se compara, aos tempos em que o ex-governador tinha mais de 90% das lideranças do Estado sob o seu comando.


Ex-liderança
Espero que o caminho do vereador não seja o mesmo do jornalista Antônio Rezende que foi uma verdadeira pedra no sapato do então governador Siqueira Campos (PSDB), conseguiu com isso se tornar uma grande liderança em Araguaína ao ponto de ser o mais votado para a Câmara Municipal, mesmo não se elegendo devido ao seu partido na época, o (PT), não ter alcançado o coeficiente para elegê-lo vereador.


Aposta errada
Quem parece ter “caído” no mesmo erro de Rezende, foram também: o ex-deputado federal Edmundo Galdino e seu irmão, o ex-vereador Xeroso, que da mesma forma eram grandes críticos da política de Siqueira e que, coincidentemente, após subirem no palanque do líder tucano, sofreram grandes derrotas nas urnas.
 

Mudando de assunto
A situação do atual secretário de saúde de Araguaína Eduardo Medrado não é nada confortável, o programa do candidato a governador Siqueira Campos (PMDB) tem mostrado a dura realidade de quem tenta marcar uma consulta no ambulatório do bairro São João.

Boatos
A coisa ficou tão feia que surgiram boatos de reforma no governo do prefeito Valuar Barros (DEM). O mais estranho é que na notícia veiculada no site O Melhor da Amazônia, o nome do secretário não foi citado.

Siqueirista?
O que todos nós sabemos é que Medrado sempre foi muito ligado à Siqueira, ao ponto de ter administrado a saúde do Estado por vários anos na época que o ex-governador comandava o Palácio Araguaia. Não dá para acreditar que Medrado teria a coragem de usar o poder que exerce como gestor da Secretaria Municipal de Saúde, para ajudar o seu antigo amigo a prejudicar a candidatura de Carlos Gaguim (PMDB).

Arremate...
Em política muito se ouve e pouco se acredita, o certo mesmo é que 03 de outubro está próximo, data na qual tudo se esclarece, quem tem voto se elege e some por uns tempos, se não é para fugir dos eleitores com certeza se esconderá dos credores. Afinal quem tiver o apoio do “povo” para se eleger terá quatro anos para pagar as contas, coitado mesmo é do candidato que não alcançar tal êxito. Restará somente esperar o próximo pleito ou desistir da política.

Anterior 4 5 6 7 8 9 Próximo 
Publicidade
Publicidade

Facebook

Twitter

Vc é o Repórter

Tem uma reportagem, fotos, vídeos, histórias ou curiosidades?

Mande para nossa redação. Seja você o REPÓRTER.