Menu
Busca terça, 18 de fevereiro de 2020
(63) 99292-6165
Araguaína
29ºmax
23ºmin
FISCALIZAÇÃO

Após denúncia, prefeitura obriga comerciantes a desocuparem calçadas

13 abril 2011 - 12h24

Luidiniz Brito
Da Redação


Após repercussão da denúncia publicada no Portal O Norte semana passada, que apontou problemas de mercadorias expostas por comerciantes nas calçadas em frente a seus estabelecimentos comerciais, as quais atrapalhavam o movimento de pedestres na região Central de Araguaína e tendo em vista que a ação trata de uma irregularidade prevista no Código de Postura do Município, foi realizado na manhã desta quarta-feira, 13, pelo fiscais do Departamento de Postura e Edificações, juntamente com a Polícia Militar, uma operação que visou a notificação aos comerciantes que praticavam a irregularidade.

A informação de que os fiscais entrariam em ação para coibir essa prática por parte dos comerciantes, também foi divulgada pelo Portal em entrevista exclusiva com do Diretor do Departamento, João Lopes.

 O assunto gera polêmica
Durante a operação dos fiscais da prefeitura, nossa reportagem entrevistou algumas pessoas no Centro de Araguaína para saber a opinião a respeito do tema. Jaquelane Oliveira, gerente de uma loja no Centro, disse que expor mercadorias em frente à lojas é bom para os clientes: "Eles já veem a mercadoria, antes de entrar, e não atrapalha os pedestres, porque a calçada é enorme".

Entretanto, o mototaxista Jarbas da Silva Soares, 23 anos, discorda. Para ele mercadorias nas ruas atrapalham sim a passagem de pedestres.

Segundo Andra da Silva, vendedora na Av. Cônego João lima, produtos nas calçadas atrapalham muito no trânsito das pessoas, como por exemplo, a passagem de deficientes físicos. Porém, "não incomoda quando os produtos ocupam pouco espaço nas calçadas", diz.

De acordo com José Carlos, fiscal do Departamento que comandou a intervenção, “a operação foi um sucesso”. O fiscal informa ainda que a partir de amanhã, 14, se persistirem no ato infracionário, os comerciantes serão multados em R$ 30 reais por dia e as mercadorias expostas serão apreendidas. Para José Carlos, a fiscalização precisa ser rotineira, visto que os comerciantes podem ignorar as solicitações e colocar as mercadorias novamente nas calçadas.
 

AO VIVO