Menu
Busca quinta, 06 de agosto de 2020
(63) 99958-5851
Araguaína
34ºmax
20ºmin
RECONSTRUÇÃO

Terminal Rodoviário de Araguaína poderá ser privatizado

13 abril 2011 - 14h11

Daniel Lélis
Da Redação


Inaugurada em 1978 e administrada atualmente pela Prefeitura Municipal através da Secretaria de Obras e Serviços Urbanos, a Rodoviária de Araguaína, uma das mais movimentadas do Estado, apresenta problemas estruturais graves que a torna incompatível com as necessidades de uma cidade que se desenvolve a largos passos.

A Rodoviária de Araguaína, que ocupa a área de cerca de 14 mil m², está a 300 metros da Rodovia Belém Brasília. Passam diariamente por ela, aproximadamente de 4 a 5 mil passageiros. É o que informa José Antônio Rufino Gomes Andrade, mais conhecido como Dragão, chefe do Departamento dos Logradouros Públicos de Araguaína.

De acordo com Dragão, nunca foi realizada uma reforma estrutural que contemple como deveria as necessidades do terminal rodoviário: “Até o desenho arquitetônico é o mesmo de 33 anos atrás”, conta ele, que também ressalta: “Já  foram realizadas algumas melhorias, como a troca do piso e a ampliação dos banheiros, mas ficou por aí”.

Problemas
Perguntado sobre qual seria o maior problema do terminal rodoviário de Araguaína, José Antônio responde que seria a falta de acessibilidade. Segundo ele, o terminal não tem condições de oferecer o tratamento que deveriam receber pessoas que apresentem algum tipo de deficiência: “Os banheiros não foram adaptados ainda”, exemplifica.

Marcos Vieira Castro, 29 anos, funcionário público que utiliza com frequência o terminal, reclama: “Uma cidade que quer ser grande não pode se permitir a ter uma rodoviária dessas”. “Os bancos de espera são de cimento e causam enorme desconforto e o estacionamento aqui é precário”, completa ele.

O chefe de logradouros estabelece como sendo quatro os principais pontos a serem corrigidos na rodoviária: “É preciso haver um controle fiscal mais efetivo no fluxo de embarque; os fiscais de postura, por sua vez, devem se fazer mais presentes inibindo a presença de camelôs e agenciadores de passageiros em transportes clandestinos; os serviços de higiene e limpeza devem se priorizados e finalmente, é indispensável a implantação de um projeto de sinalização de trânsito no terminal e no seu entorno”.

Possíveis soluções
Questionado a respeito de qual seriam as soluções estudadas pela Prefeitura Municipal para os problemas encontrados na rodoviária, José Antônio declara: “O melhor seria que fosse projetado um novo terminal rodoviário para Araguaína. Contudo, não há ainda um projeto nesse sentido”. “O que temos é um pré-projeto, sem prazo de execução, que prevê a reforma do terminal”. Uma parceria com a iniciativa privada, de acordo com ele, está sendo avaliada pela Prefeitura.

AO VIVO