Menu
Busca sábado, 19 de setembro de 2020
(63) 99958-5851
Araguaína
37ºmax
21ºmin
CONFLITO

Denúncia aponta suposto favorecimento na permanência de diretora em escola

27 maio 2011 - 19h02

Dágila Sabóia
Da Redação


Na última quarta-feira, 25, chegou à redação do Portal O Norte a denúncia de que a diretora da escola Estadual Adolfo Bezerra de Menezes, Venusa Arraias Sobrinho, estaria de forma irregular empossada no cargo de diretora da Unidade.

Além da suposta irregularidade, a denunciante que se identificou como, Ana Bastos, afirmou que Venuza Sobrinho permanece no cargo por ter parentesco com o atual vice-governador, João Oliveira e ainda acrescenta que a mesma estaria agindo de forma prepotente e arrogante devido à sua permanência na direção da escola.

A denunciante, também aponta Diretora Regional de Ensino de Araguaína, Sebastiana Dias, como conivente com a situação de Venuza e classifica tal atitude como abuso de poder.

Entenda o caso
Através da portaria nº 0401 de 30 de março de 2011, publicada no Diário Oficial de nº 3354, de 4 de abril de 2011, o Governo do Estado dispensou 19 servidores estaduais que exerciam a função de confiança e diretores de Unidade Escolar em Araguaína. Tais servidores foram dispensados do cargo a partir de 1º de abril deste ano.

No mesmo Diário com a portaria nº 0402, a Secretaria Estadual de Educação (Seduc), nomeou 19 diretores para substituir os dispensados dentre os nomeados, o professor Gilson Lopes Valadares que de acordo com o Diário, substituiria a então gestora da Escola Estadual Adolfo Bezerra, Vanuza Sobrinho,

Evidências
A equipe do Portal O Norte foi em busca de mais informações sobre a denúncia e constatou que Gilson Valadares realmente não assumira o cargo de direção ao qual foi designado e consequentemente, Venuza Sobrinho continua à frente da diretoria da escola.

Explicações
Na quinta-feira, 26, nossa reportagem entrou em contato com a então diretora da Unidade Venuza Sobrinho que nos recebeu na escola porém preferiu não gravar entrevista mas esclareceu alguns detalhes sobre o caso. “Trabalho há treze anos frente a esta escola e em nenhum momento impus a minha permanência".

Sobre a afirmação da denunciante de que a diretora permence no cargo por ter grau parentesco com o vice-governador, Venuza confirma o fato de ser parente de João Oliveira porém nega que tenha permanecido no cargo por isso: "Só continuei no cargo porque o professor nomeado abdicou da função ao qual foi designado”.


AO VIVO