Menu
Busca segunda, 17 de fevereiro de 2020
(63) 99292-6165
Araguaína
30ºmax
23ºmin
PRECARIEDADE

Após denúncias, MPE apura problemas no Hospital Regional de Araguaína

17 junho 2011 - 13h31

Dágila Sabóia
Da Redação


O Hospital Regional de Araguaína (HRA) tem sido alvo de várias denúncias e muitas delas chegou ao conhecimento da Redação do Portal O Norte  através de pessoas que trabalham de forma precária no hospital, porém temendo retalhações preferiram não se identificar. 

Nossa reportagem tem buscado detalhes sobre cada uma delas e o que tem sido constatado é que os servidores da Unidade de Saúde tem trabalhado evidentemente de forma precária.

Em consequência dos fatos, quem mais sofre é a população que necessita de atendimento médico e fica sujeita a um atendimento de baixa qualidade e muitas vezes pondo em risco a própria vida devido ao caos no atendimento da Unidade.

Tendo em vista várias denúncias apontadas no HRA, agora foi a vez do Ministério Público Estadual (MPE) entrar em ação e instaurar um Inquérito Civil Público para esclarecer irregularidades no hospital. Conforme inspeção da Promotoria de Justiça realizada na unidade de saúde, há falta de alimentos e materiais como luvas, gases, máscaras, álcool e outros. O local também apresenta precariedade na limpeza.

De acordo com o Promotor de Justiça Ricardo Alves Peres, no mês de maio chegou haver, inclusive, restrição de alimentos para pacientes, acompanhantes e servidores, que teriam recebido apenas arroz e chá como refeição.

Conforme informações recebidas pelo MPE, não está sendo feito o recolhimento do lixo hospitalar, observando-se cestos cheios de lixo próximo aos leitos dos pacientes, e a troca de roupas de cama é realizada somente de quatro em quatro dias. Diante dos fatos, o MPE encaminhou ofício à Diretoria do Hospital Regional de Araguaína, estipulando prazo de dez dias para prestar esclarecimentos. O MPE também notificou a Litucera, empresa terceirizada responsável pelos serviços de limpeza, os Conselhos Regionais de medicina e enfermagem e a Vigilância Sanitária Estadual.

Confira logo abaixo algumas das denúncias apuradas pelo Portal O Norte clicando nos links:


Aparelhos de raio-X quebrados

Pacientes em coma instalados em macas por falta de colchões

Tomógrafo desativado

Médicos pedem demissão em massa


(Com informações Ascom MPE/TO)

 

AO VIVO