Menu
Busca terça, 07 de abril de 2020
(63) 99292-6165
Araguaína
32ºmax
22ºmin
INCÔMODO

Moradores do Cimba reclamam da poeira e demora no asfaltamento

04 julho 2011 - 08h42

Daniel Souza
Da Redação

 

Moradores do Setor Cimba estão reclamando da demora da pavimentação asfáltica no local. Em grande parte do bairro, a falta de asfalto tem prejudicado a comunidade em decorrência da poeira e barro que vêm causando sujeira nas casas e pequenos estabelecimentos comerciais, prejudicando também a saúde dos moradores que se queixam de problemas respiratórios.

"A gente lava roupa e quando coloca no sol, a poeira suja tudo. A casa nem adianta limpar, porque quando mal termina de varrer já “tá” tudo empoeirado de novo”, reclama a dona de casa, Sebastiana de Araújo, de 47 anos que completa: “Ainda tem a questão das "criança" que são as que mais “sofre” com isso, tenho uma netinha de 5 anos que direto fica gripada por causa desse poeirão que toma de conta da nossa casa”.

O estudante de 19 anos, Maicon Silva, que tem problemas de saúde, também protesta: “Eu tenho problema de sinusite e essa poeira aqui não ajuda nenhum pouco, quando eu acordo já começo a espirrar e tocir, fico rouco e minha garganta dói também”, desabafa.

Outros problemas
Mas não é somente a poeira que incomoda os moradores, que ainda reclamam da falta de segurança no setor, dificuldade de acesso devido à ausência de linha de transporte urbano além da grande extensão de terrenos baldios que servem como lixões e esconderijos para usuários de drogas.

"Até os mototaxistas se recusam a fazer corridas para cá durante a noite porque é muito perigoso mesmo. Daí voltar pra casa, só a pé mesmo nessa poeira toda, já que não tem coletivo que passe por aqui”, reclama uma moradora local que preferiu não se identificar.

“Tem muita coisa pra ser resolvida aqui no nosso setor. A situação é triste: no inverno é lama e no verão é poeira, aí pra completar, tem gente que vem “lá do cafundó do Judase joga lixo nesse monte de lotes baldios que tem aqui e o mau cheiro vem todo pra nossa casa. Não tem quem aguente”, protesta, Luiza Pereira Gomes, 27 anos. 

AO VIVO