Menu
Busca segunda, 20 de setembro de 2021
(63) 99958-5851
Araguaína
36ºmax
23ºmin
EM SÃO PAULO

Família brasileira perde R$ 850 mil em golpe de criptomoedas

04 setembro 2021 - 08h41Por r7 Notícias

Uma família de Sorocaba, no interior de São Paulo, município localizado a cerca de 80 km da capital paulista, sofreu um prejuízo de aproximadamente R$ 850 mil depois de ser persuadida a aplicar dinheiro em bens digitais (moedas criptografadas) por golpistas.

De acordo com o advogado das vítimas — um aposentado e a sua filha —, a ex-gerente do banco com o qual a família possuía relacionamento informou que os aportes seriam feitos por meio da empresa Criptbank e renderiam lucro de 10% ao mês. "No primeiro mês, os golpistas depositaram os 10% nas contas da família. Mas, depois, os depósitos não ocorreram mais”, contou Danilo Campagnollo Bueno.

Ainda conforme contou o advogado, o aposentado transferiu R$ 429 mil para a conta da empresa Gasull Investiments, supostamente contratada para fazer a ‘intermediação do negócio’. Depois, o homem investiu mais R$ 71 mil. Envolvida pela promessa de grandes retornos, a filha dele também realizou investimentos e transferências, totalizando R$ 50 mil.

Depois, de receber o retorno dos primeiros investimentos, o aposentado fez mais um depósito, no valor de R$ 300 mil. "Depois disso, nenhum dos dois receberam qualquer centavo a mais ou respostas. A ex-gerente que os convenceu a assinar os contratos também passou a se esquivar", acrescentou o advogado Danilo Campagnollo Bueno.

Operação Criptgolpe

Após pesquisas na internet, parentes das vítimas encontraram diversas reclamações de investidores da Criptbank — que não receberam os lucros prometidos. A empresa era um dos alvos da operação Operação Criptgolpe, deflagarada pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), ligado ao MP-SP (Ministério Público de São Paulo).

Na manhã da última quarta-feira (1º), seis pessoas suspeitas de envolvimento no esquema foram presas. No total, foram emitidos dez mandados de busca e apreensão e sete de prisão nas cidades de Sorocaba, Votorantim, Araçoiaba da Serra, Barueri e São Paulo. Documentos e veículos de luxo foram apreendidos.

Gaeco de Sorocaba (SP) deflagrou operação - Divulgação/Ministério Público de São Paulo

A Promotoria estima que o grupo criminoso tenha causado prejuízos de milhões de reais a diversos investidores.

Segundo as investigações, os golpistas agiam com promessas fraudulentas de aquisição de moedas criptografadas que, supostamente, proporcioriam um rendimento mensal de 10%. Com isso, a quadrilha garantiu visibilidade e capacidade de iludir investidores ao fazer propaganda em nome do Criptbank S/A, Criptbank Holding Investimentos Negócios e Participações e da Gasull Investimentos Ltda.

Ressarcimento das vítimas

As prisões e apreensões de bens ocorridas após a operação do Ministério Público e da Polícia Civil devem abrir caminho para que advogados das vítimas busquem o ressarcimento daqueles que foram prejudicados pelos golpistas.

Danilo Campagnollo Bueno, revelou que pretende pedir o sequestro de bens dos acusados pelo MP e outras medidas, como arresto ou hipoteca legal, para recuperar o dinheiro perdido das vítimas que representa.

"O MP pediu o bloqueio de bens e contas [dos acusados], mas não tivemos acesso ao que foi bloqueado. Vamos fazer o levantamento de tudo isso para poder viabilizar o ressarcimento das vitimas. Na esfera criminal, isso só vai acontecer sendo essas pessoas condenadas", complementou o advogado.

 

AO VIVO