Menu
Busca sábado, 12 de junho de 2021
(63) 99958-5851
Araguaína
34ºmax
20ºmin
VACINA

AstraZeneca: quais reações e efeitos colaterais entre vacinados?

04 junho 2021 - 17h54Por Meio Norte

Quais são os efeitos colaterais mais comuns da vacina?

De acordo com os dados reunidos nos estudos clínicos de fase 3, os efeitos colaterais mais comuns associados à vacina foram:

- Sensibilidade no local da injeção (relatada por mais de 60% dos voluntários);

- Dor no local da injeção, dor de cabeça e fadiga (relatadas por mais de 50% dos voluntários);

- Dor no corpo e mal-estar (relatadas por mais de 40% dos voluntários);

- Febre e calafrios (relatados por mais de 30% dos voluntários);

- Dor nas articulações e náusea (relatadas por mais de 20% dos voluntários).

A maioria das reações adversas foi de intensidade leve a moderada e normalmente resolvida poucos dias após a vacinação. As reações adversas foram mais frequentes após a primeira dose da vacina.

Um efeito colateral incomum é o inchaço das glândulas na axila ou no pescoço, no mesmo lado do braço onde foi aplicada a vacina. Isso pode durar cerca de 10 dias, mas, se durar mais, consulte seu médico.

As reações adversas foram geralmente mais leves e relatadas de forma menos frequente em idosos (com 65 anos de idade ou mais).

Quanto tempo após a injeção podem surgir os efeitos colaterais?

Os efeitos colaterais normalmente aparecem em um período de até 2 dias após a vacinação, e costumam durar por, no máximo, dois dias. Se novos sintomas aparecerem a partir do 4º dia depois da vacinação, procure um médico.

Posso tomar remédio contra os efeitos colaterais?

Sim, você pode tomar remédios para os efeitos colaterais – de preferência dipirona ou paracetamol.

"Os medicamentos mais recomendados para reações à vacina são paracetamol e dipirona. Algumas pessoas têm sensibilidade à dipirona, não conseguem tomar, então elas devem ficar com o paracetamol", explica a farmacêutica e bioquímica Laura Marise, doutora pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) e cofundadora do canal "Nunca vi 1 Cientista", na rede social "YouTube".

Mas atenção: em 27 de maio, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) alertou para os riscos do uso indiscriminado de paracetamol para os efeitos colaterais da vacina de Oxford.

A agência recomendou que "o uso do medicamento deve ser feito com cautela, sempre observando a dose máxima diária e o intervalo entre as doses, conforme as recomendações contidas na bula, para cada faixa etária". Em adultos, por exemplo, a dose máxima de paracetamol é de 4g/dia.

Já anti-inflamatórios – como aspirina, diclofenaco ou ibuprofeno – não são recomendados, explica Laura Marise.

"No início de uma infecção ou no desenvolvimento da imunidade contra a vacina, a gente precisa que o processo inflamatório aconteça, porque é o processo inflamatório que vai desencadear toda a resposta imunológica nesse caso", diz a farmacêutica Laura Marise.

Mas calma: se você já tomou um comprimido de ibuprofeno, é provável que o remédio não vá comprometer os efeitos da vacina.

"O maior problema, nesse caso, para evitar, é uma questão recorrente, de ter que tomar vários comprimidos, porque fica vários dias com dor no corpo e febre – nesse caso, se tiver que tomar mais vezes, é melhor realmente evitar todos os anti-inflamatórios de forma geral", recomenda a farmacêutica.

Posso tomar a vacina AstraZeneca se estiver grávida?

Não. No dia 10 de maio, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recomendou a suspensão da aplicação da vacina de Oxford/AstraZeneca em grávidas. A recomendação veio depois da morte suspeita de uma gestante de 35 anos. Ela sofreu um acidente vascular cerebral após receber a vacina. O bebê também morreu.

O Ministério da Saúde recomendou que as que já tivessem recebido a primeira dose da vacina só recebessem a segunda dose após o fim da gestação e do puerpério (45 dias após o parto) para completar o esquema vacinal.

Qual é o risco de trombose após tomar a vacina AstraZeneca?

Os casos são raros. As estimativas publicadas da incidência de trombose após a vacina (VITT) de Oxford/AstraZeneca variam de 1 caso a cada 26,5 mil doses aplicadas a 1 caso a cada 148,2 mil doses aplicadas, segundo um levantamento feito por especialistas e cientistas da província de Ontário, no Canadá.

Os dados de incidência ainda são preliminares – porque a vacina está sendo aplicada há muito pouco tempo na maioria dos países e porque alguns casos ainda estão sendo investigados. Na Itália, por exemplo, houve 11 casos após 1,63 milhão de doses aplicadas.

Dados do Reino Unido sugerem que há um incidência mais alta nos grupos de adultos mais jovens em comparação com os mais velhos e que a incidência é maior em mulheres do que em homens, embora isso não seja observado em todas as faixas etárias e a diferença permaneça pequena.

Se eu já tive trombose antes, tenho maior risco de ter depois da vacina?

Até onde se sabe, não. Isso porque os mecanismos por trás de uma trombose "normal" e de uma trombose pós-vacina são diferentes, explica a hematologista Menaka Pai, professora associada de medicina na McMaster University, na província de Ontário, no Canadá, e especialista em trombose na Hamilton Health Sciences.

Os coágulos "normais – que aparecem depois de um parto, de uma cirurgia ou que vêm de histórico familiar – têm a ver com fatores de coagulação. Já os coágulos que aparecem depois de uma vacina têm a ver com o sistema imune. Há apenas uma exceção – que é a trombose induzida por heparina.

A trombose que ocorre pós-vacina chama-se VITT: sigla em inglês para trombocitopenia trombótica imune induzida por vacina ("vaccine-induced immune thrombotic thrombocytopenia").

"Com a VITT, o que acontece é que você recebe uma vacina – AstraZeneca ou J&J – e, cerca de 4 a 28 dias depois, o corpo pode começar a produzir anticorpos que atacam as plaquetas do próprio corpo. (...) E essas plaquetas ativadas começam a causar coágulos sanguíneos em muitas áreas diferentes", explica Menaka Pai, que integra o grupo de especialistas que guiam a resposta científica da província de Ontário.

Existe alguma maneira de prevenir a trombose pós-vacina?

Não. Assim como não há fatores de risco conhecidos, também não há fatores de prevenção conhecidos, explica Menaka Pai. O que se pode fazer é saber quais são os sintomas e procurar atendimento médico o mais rápido possível.

Os casos raros de trombose ocorreram após a primeira ou a segunda dose?

Até agora, os dados sugerem que a probabilidade de trombose após a vacina (VITT) é maior após a primeira dose.

Até 19 de maio, a agência regulatória britânica (MHRA, na sigla em inglês) contabilizava 332 casos de VITT – trombose após vacina acompanhada de baixa contagem de plaquetas – no Reino Unido após a vacinação com Oxford/AstraZeneca. Desses, 17 casos foram relatados após a segunda dose.Até a mesma data, o número estimado de primeiras doses da vacina administradas no Reino Unido era de 24,2 milhões, e o número estimado de segundas doses, de 10,7 milhões.

AO VIVO