Menu
Busca terça, 18 de fevereiro de 2020
(63) 99292-6165
Araguaína
29ºmax
23ºmin
GREVE DA PM

Aragão relembra movimento grevista da PM

23 maio 2011 - 09h34

Ainda cumprindo agenda em Florianópolis (SC), o deputado estadual Sargento Aragão (PPS) relembra o movimento reivindicatório da Polícia e Bombeiros Militares, ocorrido em maio de 2001, que completou 10 anos neste sábado, 21.

Para o Parlamentar, a data é um marco na história das corporações no Tocantins, que assinalou o início da liberdade e valorização conquistadas pela categoria.

Aragão observa que dez anos depois do movimento grevista, a PM do Tocantins alcançou o nível de importância e respeito que o movimento proclamava. “Temos hoje uma Polícia Militar de cabeça erguida e peito estufado, com um salário que ainda não é o melhor, mas é digno do policial militar e continuaremos a luta por melhorias”, declara o deputado, enumerando as conquistas da PM que são resultado do movimento reivindicatório de 2001.

Na oportunidade, o Parlamentar parabeniza e se congratula com os colegas e companheiros que participaram do movimento e com os que hoje podem desfrutar das melhorias advindas dessa importante luta pela independência e liberdade da Polícia e Bombeiros militares no Tocantins.

História
O movimento que completou 10 anos reuniu milhares de policiais que ficaram aquartelados em alguns batalhões, como no 1º BPM de Palmas. O objetivo principal do movimento foi a luta por melhores condições de trabalho e remunerações compatíveis ao exercício de suas funções, já que o policial trabalhava mais de 360 horas por mês por um salário de cerca de R$ 500.

A ação provocou a intervenção do Exército, com o deslocamento de tanques de guerra e efetivos que tomaram as ruas da Capital. Em 2005, os policiais envolvidos no movimento foram anistiados pelo então governador Marcelo Miranda e em 2010 veio o reconhecimento por meio de decreto sancionado pelo então presidente Lula, anistiando todos os bombeiros e militares que participaram de movimentos reivindicatórios pedindo aumento de salário, melhor jornada de trabalho e humanização dos quartéis. (Da Ascom/Polyana Pegoraro)
 

AO VIVO