Menu
Busca quarta, 25 de novembro de 2020
(63) 99958-5851
Araguaína
31ºmax
21ºmin
INDICATIVO DE GREVE

Professores da UFT irão paralisar no próximo dia 21 para discutir greve

16 junho 2011 - 11h22

Em assembleia geral na última segunda-feira, 13, os professores da Universidade Federal do Tocantins (UFT) votaram por unanimidade o indicativo de greve para o dia 21 de junho, durante todo o dia os docentes dos sete campi irão parar suas atividades com intuito de discutir e decidir se iniciarão greve.

O presidente da Seção Sindical dos Docentes da UFT (SESDUFT), professor do curso de direito, Vinícius Pinheiro Marques conta que a proposta de indicativo de greve foi colocada em assembleia, sendo que uma nova plenária acontecerá no próximo dia 21 juntamente com um dia de paralisação em todos os campi. “O indicativo de greve é uma questão precedente e necessária para mobilização, conscientização da categoria e também para levantar os argumentos prós e contra para a deliberação da greve”, destaca.

Marques esclarece que os docentes da UFT estavam em estado de greve desde o dia 17 de novembro do ano passado, ou seja, a partir dessa data foram estipuladas metas a serem cumpridas e estratégias de ação para conscientização da categoria sobre a importância da luta por um melhor plano de carreira e salário. “Vamos participar de um encontro do setor das Instituições Federais Ensino Superior (IFES) nos dias 17 e 18 de junho em Brasília para discutir com outras seções sindicais sobre como está a mobilização em outros estados e a negociação com o governo. E a partir destas informações é que nós, professores, decidiremos em assembleia geral no próximo dia 21 se entraremos em greve ou não”, acrescenta.

O presidente da Seção Sindical convida os três segmentos da universidade formada por docentes, discentes e técnicos para discutir sobre a greve. “Afinal todos sofrem prejuízos com a precarização do ensino nas suas mais diversas formas, quer pela questão estrutural e falta de professores e laboratórios, tanto como pela má remuneração de seus docentes e técnicos, além da falta de condições adequadas de trabalho e carreira”, finaliza Marques.

Para o tesoureiro da SESDUFT, o professor do curso de engenharia de alimentos Paulo Cleber Mendonça Teixeira o indicativo de greve trata-se de uma resposta ao Governo que não atende as pautas de reivindicações da categoria. “Entendemos que uma greve agora é urgente sob um contexto de congelamento dos salários dos funcionários públicos federais até 2019”, observa.

Teixeira afirma que há também a precarização de contratos e perda de direitos trabalhistas, angustiando a base do movimento dos docentes. “A luta é dura, e convocamos todos os colegas a aderirem ao movimento como forma de forçar o governo a negociar de verdade”, declara o tesoureiro. (Por Shara Rezende/ Ascom)

AO VIVO