Menu
Busca terça, 07 de abril de 2020
(63) 99292-6165
Araguaína
32ºmax
22ºmin
SOBRE GREVE

Celtins isenta-se e afirma que serviços não foram afetados

19 julho 2011 - 09h41

Daniel Lélis
Da Redação


A Companhia de Energia Elétrica do Tocantins (Celtins) informou, por meio de nota enviada a imprensa, que não há nenhuma negociação em andamento entre a empresa e a Selvat e Enecol, terceirizadas que entraram em greve segunda-feira, 18. Isso porque, afirma a companhia, o vínculo empregatício dos trabalhadores que paralisaram as atividades é com as prestadoras de serviços e não com a Celtins.

Ainda de acordo com a concessionária de energia elétrica, os contratos feitos com as empresas estão vigentes e os serviços essenciais não foram afetados.

Ao todo, mais de 600 trabalhadores, 88 só em Araguaína, cruzaram os braços. A paralisação deverá ser encerrada hoje, 19, nos polos de Palmas, Araguaína, Paraíso, Guaraí, Porto Nacional e Gurupi.

Reivindicações e denúncia
Em entrevista concedida ao Portal O Norte, Celma Moreira, representante da Steet (Sindicato dos Trabalhadores em Eletricidade do Tocantins) afirmou que, dentre as principais reivindicações do grupo, estão: aumento salarial em torno de 15%, assistência médica para os colaboradores, vale alimentação e melhorias nas condições de trabalho.

De acordo com ela, de um ano para cá, quatro trabalhadores morreram em serviço no estado. A culpa, conta, seria da falta de treinamento dos profissionais. “Infelizmente, menos de um ano para cá, quatro profissionais perderam a vida quando estavam trabalhando. Isso prova que as equipes estão em campo sem o devido treinamento”, afirmou. (Confira a entrevista na íntegra, aqui).


Confira na íntegra a nota da Celtins sobre as paralisações


Nota de Esclarecimento

A Cia. de Energia Elétrica do Estado do Tocantins, quanto a paralisação dos empregados de empresas prestadoras de serviço, informa que não há nenhuma negociação em andamento com a Celtins visto que o vínculo empregatício destes é com as prestadoras. Informa ainda que os contratos feitos com as empresas estão vigentes e que os serviços essenciais permanecem normais.

Assessoria de Imprensa

 

Celtins

AO VIVO