Menu
Busca quinta, 02 de julho de 2020
(63) 99958-5851
Araguaína
35ºmax
20ºmin
TOCANTINÓPOLIS

Professores discutem intolerância ao glúten

27 junho 2011 - 16h44

Servidores da DRE de Tocantinópolis - Diretoria Regional de Ensino - estão participando de uma série de reuniões como objetivo de estudar a Doença Celíaca, a popular intolerância ao glúten. O grupo é formado por professores da rede estadual de ensino, da UniversidadeFederal do Tocantins, estudantes, além de nutricionistas, empresários do ramo da alimentação e portadores da doença.

A intenção da DRE é realizar um trabalho de esclarecimento nas escolas sobre os sintomas e o tratamento da doença. De acordo com a professora Giselda Moura, a DRE estuda ainda a possibilidade de modificar o cardápio escolar oferecendo opções de merenda sem glúten para os estudantes que apresentam intolerância à proteína.

A Doença Celíaca
É a intolerância permanente ao glúten, uma proteína encontrada no trigo, centeio, cevada, aveia e malte. Nos indivíduos afetados, a ingestão de glúten causa danos na parede do intestino delgado e é considerada uma desordem auto-imune, na qual o organismo ataca a si mesmo.

Os sintomas podem surgir em qualquer idade e os pacientes costumam apresentar problemas intestinais, pouco ganho de peso, retardo de crescimento, anemia, carência de ferro, osteoporose, entre outros.

Segundo a Fenacelbra - Federação Nacional das Associações de Celíacos do Brasil – em todo o país, são mais de um milhão de celíacos, e um grande número de pessoas têm a doença, mas não sabem.

O site da Fenacelbra, http://www.doencaceliaca.com.br/index.htm, trás uma série de informações sobre a doença além de dicas para pacientes. (Da Ascom Seduc)

AO VIVO