Menu
Busca domingo, 12 de julho de 2020
(63) 99958-5851
Araguaína
35ºmax
21ºmin
SAÚDE PÚBLICA

Pacientes que esperavam por cirurgia há anos são atendidos pelo Opera Tocantins

26 outubro 2019 - 08h55

Com apenas 13 anos, o adolescente de Porto Nacional, Davi Henrique Guedes, precisou esperar mais de dez anos para conseguir a remoção das amídalas que lhe causavam tanto sofrimento. O drama dele foi semelhante ao da estudante de Dianópolis, Maiara Sousa, de 16 anos, que esperou metade da vida (oito anos), por uma cirurgia de adenoide, ambas realizadas nesta quinta-feira, 24, no Hospital Regional de Paraiso (HRP). A mãe da adolescente, Neusa Sousa, disse que antes, “fazíamos os exames pré-operatórios, mas eles venciam e não chamavam ela para a cirurgia. Agora conseguimos fazer tudo rápido e fomos muito bem atendidas, pelo doutor, Renato Marques.”

Foi para acabar com situações como estas e garantir atendimento digno aos pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS), no Tocantins, que o Governo do Estado sancionou a Lei Nº 3.369, de 04/07/2018, que instituiu o Programa de Aprimoramento da Gestão Hospitalar (Pagh-Cirúrgico), o Programa Opera Tocantins, o qual já se consolidou pela alta resolutividade com a diminuição das filas de cirurgias eletivas, bem como pela eficiência nos procedimentos e pela boa recuperação dos pacientes.

Operada no mesmo mutirão e com experiência positiva a dona de casa Vanessa Silva, 25 anos, veio de Monte Santo. Segundo ela, “as dores eram tão fortes que eu não conseguia fazer os serviços domésticos, mas foram só uns cinco meses entre o diagnóstico e procedimento de retirada da vesícula (colecistectomia).” Já o trabalhador rural, Ramiro Pereira, 46 anos, foi diagnosticado com Hérnia Inguinal bilateral, disse que estava muito satisfeito por realizar a segunda cirurgia em menos de cinco meses de ter feito a primeira e já contava os dias para voltar à vida normal. “Sou muito grato a esse Programa do Governo para diminuir a fila do SUS porque saúde é tudo na vida,” afirmou.

A coordenadora da Gerência de Procedimentos Ambulatoriais e Cirúrgicos, Nájla Tenório, explicou que o HRP é referência para toda a Região da Saúde Cantão, mas que no Opera, está recebendo demandas, em otorrinolaringologia de todo o Estado. “Para acontecer o Programa exige vários procedimentos prévios, que vão desde a seleção dos casos para otimizar a logística material e humana de cada mutirão, até a realização de “reuniões de consentimento informado”, com  pacientes da ginecologia, por exemplo, para explicar os benefícios e riscos de cada cirurgia”, concluiu.

O técnico em regulação, Wiliasmar Alves falou sobre a preparação dos mutirões e receptividade do Opera pelas equipes médicas e multiprofissionais, que são montadas por adesão e fechadas com, no máximo, cinco dias de antecedência. “Só neste mês planejamos 12 mutirões, com 45 cirurgias e esse número é bastante expressivo, principalmente se considerarmos que a emergência continua funcionando 24 horas e as cirurgias eletivas páreo a páreo acontecendo normalmente,” ressaltou.

Para diretora geral do HRP, Leiliane Alves, “a iniciativa do Governo na criação do Opera foi determinante para resolver as demandas de necessidade da sociedade, acumuladas há muitos anos, então eu vejo isso como um grande avanço para a saúde da população. Nós, do HRP, estamos muito felizes porque nós temos uma excelente estrutura e capacidade técnica para tocar essas cirurgias. Por sentirmos da sociedade o anseio em realizar os procedimentos e a satisfação no pós-operatório; pela motivação das nossas equipes, sempre bem articuladas e empenhadas, tanto que todas as nossas clínicas que operam aderiram ao Programa. É muito gratificante porque o Opera veio para ajudar muitas pessoas”, finalizou.

 

AO VIVO