Menu
Busca quarta, 28 de outubro de 2020
(63) 99958-5851
Araguaína
31ºmax
23ºmin
COLUNA

Opinião Formada

por Tony Veras
ELEIÇÕES 2020

Delegados podem entrar na disputa pela prefeitura nas duas principais cidades do Estado

16 janeiro 2020 - 15h51Por Por Tony Veras

A política tocantinense começa a tomar forma em torno das eleições deste ano, em Palmas e Araguaína, as duas maiores cidades do Estado, dois nomes da Polícia Civil surgem como opções para disputar espaço entre os pré-candidatos à prefeitura: os delegados Hudson Guimarães e Rerisson Macedo. 

Rérisson Macedo

O delegado Rérisson, como é conhecido popularmente, disputou pelo Democracia Cristã (DC) uma vaga na Assembleia Legislativa na eleição estadual de 2018, quando conquistou 6,6 mil votos dos quais 82% foram em Araguaína.

Primeiro Suplente na Assembleia Legislativa, Rérisson assumiu uma cadeira na Casa de Leis em julho do ano passado, assim que o deputado Ivory de Lira (PCdoB) tomou posse no Estado como secretário extraordinário de Assuntos Parlamentares, da Secretaria Executiva da Governadoria. Ivory ficou no cargo até o início de dezembro, quando pediu exoneração, regressando para a AL na vaga que o delegado ocupou neste período.

Esta semana, o delegado deixará o atual partido para ingressar no Podemos. O convite foi feito pelo prefeito de Araguaína, Ronaldo Dimas que é presidente regional da legenda e comanda as articulações em torno do nome que será escolhido para disputar a prefeitura: “Eu fiz o compromisso de montar um partido forte, estruturado e com pessoas de ficha pública elogiáveis, que sempre contribuíram para a melhora da sociedade. É isso que estamos fazendo”, resumiu o gestor que hoje está em seu segundo mandato à frente de Araguaína mirando no projeto político de 2022. 

A filiação de Rérisson está marcada para acontecer nesta sexta-feira (17). A chegada de Rérisson ao grupo político liderado pelo prefeito coloca ele ao lado do deputado estadual Elenil da Penha (MDB), do chefe de gabinete do prefeito, Wagner Rodrigues (SD), do vereador Marcus Marcelo (PL) e do presidente da Câmara de Araguaína, Aldair da Costa Sousa, o Gipão (PL) com status de pré-candidato à prefeitura de Araguaína. Nos bastidores, ele é visto com um nome forte para concorrer e o próprio Dimas já o colocou como uma boa opção para o pleito de outubro. “Tem uma folha de serviços prestados de muito tempo. Ele é um excelente nome do nosso partido e do nosso grupo político para qualquer cargo”, avaliou o gestor em material enviado à imprensa.

Rérisson se esquiva do assunto e como novo filiado disse se considerar apenas mais um nome do grupo político do prefeito: “Sou um companheiro do Ronaldo há 15 anos. Vim para somar ao projeto do nosso grupo à sucessão municipal. Esse processo tem que ser visto com muita responsabilidade, tendo em vista a grande gestão que temos que defender e manter. Sou mais um soldado nessa luta. Ao lado de Ronaldo Dimas, sempre podemos mais”, frisou.

Hudson Guimarães

Saindo da "Capital do Boi Gordo" e voltando os olhos para Palmas, em meio aos pretensos candidatos à gestão da capital, surge o delegado, Hudson Guimarães, que em nota à imprensa comunicou que colocará seu nome à disposição para concorrer ao pleito. 

"Tive o privilégio na noite de ontem de confraternizar com os amigos delegados, categoria que muito tem feito em prol da sociedade tocantinense. Em respeito a categoria, comuniquei na oportunidade que eles terão um componente da classe pré-candidato a prefeito de Palmas", disse acrescentando: "Apresentei minhas ideias mostrando que é através da política que temos a oportunidade de mostrar a sociedade que é possível melhorar a qualidade de vida da população, fazendo gestão com zelo, responsabilidade, planejamento, transparência e não utilizando o cargo para benefício próprio ou de determinados grupos", disse destacando que a reunião foi bastante satisfatória. 

Ao Portal O Norte, o delegado contou como surgiu a ideia de se tornar pré-candidato a prefeito de Palmas: "Minha história com a política iniciou nas eleições de 2018, após sair das urnas com o sentimento de não ter me identificado com a maioria das opções dos candidatos, percebi também que grande parte não atendia de fato a vontade da população, então comecei a analisar o cenário político e social da nossa capital e do estado contrapondo com as mazelas que eu vivenciava diariamente na delegacia, percebi que grande parte das situações eram fruto da omissão de políticos especialistas em desvios de função do poder público, que ao invés de garantir a população serviços essenciais de qualidade para o bem estar, como saúde, educação e segurança do povo, trabalham com o intuito de enriquecimento ilícito e privilégio a um pequeno grupo em detrimento da maioria que os elegem", disse.

O delegado decidiu que ao invés de só criticar, poderia fazer muito mais: "Atualmente na minha função de delegado, iria colocar meu nome como opção, sendo uma nova via alternativa aos grupos políticos tradicionais e mostrar a população que o cidadão comum, aquele que de fato conhece e vivencia as dificuldades enfrentadas, fruto da má administração de nossos gestores, que ele também pode fazer parte da política e não precisa ficar esperando melhorias sempre dos mesmos políticos", concluiu.

Sobre a questão partidária, Guimarães disse que tem recebido alguns convites e conversado com seus mandatários: "Estou tendo a preocupação de analisar com calma, é necessário saber da qualidade, ética, caráter e do compromisso de cada um, espero definir em breve essa escolha e ganhar mais força com o apoio do grupo partidário", destaca.

Biografia

Para finalizar Hudson Guimarães narra um resumo de sua biografia: "Piauiense de Uruçuí, 45 anos, casado, pai de quatro filhos, assim como a saga de milhares de nordestinos, tive que sair do interior do Piauí, aonde desde a infância ajudava meu pai fazendo fretes numa carroça puxada por jumento, transportando adobo, areia, barro e parte da produção da roça para a cidade, após servir o exército, mudei-me para Goiânia com uma meta, vencer o sofrimento e a falta de oportunidades no sertão nordestino para me tornar delegado de polícia. Sem muitos recursos e tendo que enfrentar as dificuldades da cidade grande, estudei, concluiu a faculdade e fui aprovado em concurso para agente de polícia em Goiás, segui adiante e após novo concurso fui aprovado para o cargo de Delegado de Polícia do Estado do Tocantins. Atuei em Tocantinópolis, Porto Nacional, em Palmas tiver passagens por várias como a Delegacias da Mulher, Denarc e atualmente sou supervisor", pontuou.

AO VIVO