Menu
Busca sexta, 23 de agosto de 2019
(63) 99292-6165
Araguaína/TO
31ºmax
21ºmin
Palmas/TO
31ºmax
21ºmin
Gurupi/TO
31ºmax
21ºmin
Augustinopolis/TO
31ºmax
21ºmin
Dianópolis/TO
31ºmax
21ºmin
Alerta Monitorando com Segurança

PRE propõe ação de investigação contra marido de prefeita de Ananás

10 dezembro 2010 - 21h04

A Procuradoria Regional Eleitoral no Tocantins propôs uma ação de investigação judicial eleitoral e uma representação contra o Secretário de Desenvolvimento Econômico e Social do município de Ananás, Wilson Saraiva de Carvalho. Ele é acusado de praticado abuso de poder e ter oferecido bens em troca de voto no período eleitoral de 2010. A PRE requer, na representação, a aplicação de multa no valor de mil a 100 mil Ufirs (cerca de R$ 1.064,10 a R$ 106.410) e, ação de investigação, a inelegibilidade do secretário por oito anos contados a partir das eleições de 2010.

Segundo a PRE, em setembro deste ano, o secretário, também marido da prefeita da cidade, Raimunda Rosa (DEM), teria ameaçado uma eleitora do município de não permitir que a construção de sua casa, recebida por convênio, fosse concluída caso ela não votasse nos candidatos Carlos Gaguim (PMDB), Cesar Halum (PPS) e Luana Ribeiro (PR). A eleitora em questão foi contemplada em 2008 com a construção de sua casa própria pelo convênio entre a Associação Comunitária de Ananás, da qual Wilson Saraiva era presidente à época, e a Caixa Econômica Federal, também de acordo com a PRE, em troca de seu voto nas eleições municipais.

Depois do pleito municipal, foram construídas as fundações da casa. Nas eleições deste ano, como a eleitora não acatou a ameaça, afirma a PRE, Wilson Saraiva retirou o material de construção que seria usado na construção das paredes e do telhado. Segundo a ação de investigação eleitoral, a conduta do secretário se caracterizaria como abuso de poder político, econômico e de autoridade, tipificado inciso XIV do art. 22 da LC 64/90 (redação da LC 135/2010).

Ainda em setembro de 2010, o representado prometeu concluir a casa de outra eleitora, recebida através do mesmo convênio, em troca de seu voto nos mesmos candidatos citados acima. Três dias depois que a eleitora fez o acordo com o secretário, este lhe entregou os tijolos a serem usados na obra. Oferecer, prometer ou entregar a eleitor bens ou vantagens em troca de seu voto, desde o dia do registro da candidatura até o dia da eleição, é proibido pela Lei 9504/97 art. 41-A.

A PRE solicita também que seja declarada a inelegibilidade do investigado por oito anos contados a partir das eleições de 2010. Nas duas manifestações, é ressaltado ainda não há qualquer evidência da participação, aprovação ou mesmo conhecimento dos candidatos das práticas ilícitas do secretário. (Da Assessoria de Comunicação da Procuradoria da República no Tocantins)

Ao Vivo