Menu
Busca domingo, 15 de setembro de 2019
(63) 99292-6165
Araguaína
37ºmax
23ºmin
ToledoFibra

Siqueira Campos dá calote em empresas de estruturas em Araguaína

01 outubro 2010 - 11h51

Empresários de Araguaína procuraram a redação do Portal O Norte para reportar uma denúncia contra o ex-governador e candidato da coligação Tocantins Levado a sério Siqueira Campos (PSDB). De acordo com as declarações, a coordenação de Siqueira teria firmado um contrato de locação de estruturas e não cumpriu com o compromisso.

Segundo os proprietários das empresas J. Som, Promov Eventos e Locações e Berg Som, no dia 10 de setembro o senhor denominado por Fabeira se apresentou como coordenador da campanha de Siqueira Campos ao empresário da LH Iluminação, Luiz Henrique, solicitando quatro estruturas para atender, na região de Araguaína, o candidato ao governo Siqueira Campos. Luiz Henrique prontificou-se a terceirizar a estrutura com as empresas citadas anteriormente.


Pelo valor de 10 mil reais a Promov Eventos e Locações disponibilizou para a campanha regional de Siqueira, um caminhão, um tablado e um som com PA de 8.

A Berg Som, alugou dois caminhões e dois sons com PAs de 8 no valor de 16 mil reais para trabalhar na campanha do candidato.

Já a empresa J. Som locou no valor de 39 mil reais, um caminhão, uma tenda 10X10, um tablado e um som com PA de 8 para a coligação. Com um custo totalizado em 65 mil reais foram contratadas as 3 empresas de estruturas.

A quebra de contrato


A data de início do contrato passou a valer do dia 10 até 30 de setembro, véspera das eleições. Porém, segundo afirmações dos empresários, no último dia 20, portanto, dez dias após a firmação do contrato, O senhor Luiz Henrique foi chamado em Palmas para uma reunião com o mesmo assessor de Siqueira, que o procurou para fechar contrato e comunicou que as estruturas não estavam atendendo à demanda e dessa forma eles não iriam pagar o valor do contrato estipulado. E de acordo com as palavras de Luiz Henrique, Fabeira propôs ao empresário pagar apenas os dias em que foram utilizadas as estruturas, sendo que algumas foram usadas um dia e outras três ou quatro dias, com excessão da empresa J. Som que foi utilizada com maior frequência.

De volta à cidade de Araguaína, Luiz Henrique reuniu-se com os empresários contratados e apresentou a proposta de pagamento oferecida pelo coordenador de Siqueira, que foi rejeitada com unanimidade por todos, já que os contratados dispuseram suas estruturas para a campanha de Siqueira, recusando locações que surgiram após o fechamento dos contratos de locações com o coordenador de campanha da coligação e solicitaram o pagamento de pelo menos 50% do valor combinado, devido à quebra de contrato.

As estruturas da empresa J. Som ainda permanece à disposição do candidato Siqueira Campos e segundo o empresário Joel Lima em entrevista ao Portal O Norte, tem expectativas de receber pelos serviços prestados: “Minha estrutura está aí disponível para a campanha, espero pelo menos que o Siqueira ganhe pra ver se eu consigo receber o dinheiro das minhas locações” diz.

O empresário Berg da Berg Som, se diz revoltado com a falta de compromisso da coordenação de Siqueira: “Eu não trabalho de graça pra ninguém não, se você trabalha tem que receber”, Berg ainda afirma que sublocou os dois caminhões que ainda não pagou bem como os ajudantes que trabalharam com a estrutura “Estou sendo cobrado todos os dias e eu vou ter que arcar com uma despesa que não é minha por causa da irresponsabilidade de terceiros”.


Já Antônio Rodrigues proprietário da Promov Eventos, não acredita na possibilidade de ser pago: “Imagina o nome da coligação: “Tocantins Levado à Sério”, se não honra nem os compromissos de campanha como posso acreditar que eles possam levar á sério alguma coisa. Minha locação está amarrada “no rabo da onça””.

Procurado pelo Portal O Norte, o senhor Luiz Henrique dono da empresa LH Iluminação, que tratou diretamente dos acertos com o coordenador Fabeira e teria segundo os empresários, marcado várias datas de pagamento, não cumprindo com as exigências do repasse de valores até o momento, se sente pressionado e afirma não ter recebido nenhum repasse da coordenação da campanha para finalizar o acordo.


Ao Vivo