Menu
Busca terça, 07 de abril de 2020
(63) 99292-6165
Araguaína
32ºmax
22ºmin
POLÊMICA

Halum provoca debate sobre tarifas entre deputados e empresas aéreas

19 maio 2011 - 19h54

O deputado César Halum (PPS-TO) provocou debates no plenário da Comissão de Turismo e Desporto, na Câmara Federal, ao relatar suas experiências com as companhias aéreas durante audiência com as mesmas. “Já fui expulso da cadeira conforto, que não é conforto; é saída de emergência. E se terei que operar a saída, a companhia é que tem que me pagar para sentar ali”, afirmou.

Em seguida, o parlamentar pediu explicações para a Tam sobre um bilhete promocional que comprou e, que, por não ter utilizado a ida, também lhe foi negado o direito de usar a volta. “Tive que comprar uma nova passagem de volta e nem abateram o valor que já tinha pago”, contou.

Halum disse que diversas vezes quando vai aos aeroportos é capaz de tirar o bótom de deputado, pois sente vergonha pelo atendimento que os usuários recebem das empresas aéreas. “Eu tiro o meu bótom, tenho vergonha de ver o mau atendimento para com o usuário e eu não poder fazer nada. Muitas vezes os passageiros me vêem e pedem um auxilio, mas infelizmente parece que não temos nem mesmo o poder de cobrança”, asseverou.

A explicação do vice-presidente comercial e de Alianças da Tam, Paulo Castello Branco, de que a tarifa promocional envolveria as duas pernas e, portanto, não tendo sido utilizado um dos trechos, haveria um descumprimento das regras para obtenção do desconto, provocou o descontentamento por parte dos parlamentares.

Isso é roubo. A Anac não existe, Infraero não existe”, acusou José Carlos Leão de Araújo (PDT-BA), que mostrou andar com trena para mostrar que mede os espaços entre as cadeiras. “Qualquer hora vamos ter que viajar em pé, com o cinto no pescoço. Essa cadeira conforto é outro absurdo”, reclamou.

Para o deputado Renan Filho (PMDB-AL) as promoções são uma “pegadinha”. “As políticas tarifárias precisam ser mais simples e confiáveis”, disse o deputado, que ainda queixou-se da dificuldade dos consumidores de resgatarem suas milhagens e da falta, sendo reiterado por muitos outros parlamentares.

O uso da milhagem depende da disponibilidade dos voos. Como a demanda está aquecida, a dificuldade acontece. Mas as regras estão divulgadas. Não posso é deixar de embarcar um passageiro que paga R$ 15 a 16 mil por uma primeira classe para os Estados Unidos, para atender um cliente de milhagem, que somando seus gastos, não chega a R$ 3 mil”, afirmou Branco.

Então o senhor está dizendo que o seu cliente fidelidade não é importante?”, rebateu o deputado Renan Filho, causando polêmica.

Ameaça de CPI
O Deputado Francisco Escórcio (PMDB/MA) disse ter mais de 100 assinaturas para abrir uma CPI das companhias aéreas que, segundo ele, seria um “remédio mais duro”. “Se essa reunião não tiver efeito prático, vou levar isso adiante. Vou esperar pelo resultado prático”.

A omissão é do governo é da Infraero, é da Anac. Esses órgãos estão mais a serviço das empresas que do consumidor”, acusou o deputado Moreira Mendes (PPS/RO), um dos autores do requerimento para a audiência.(PANROTAS com adaptaçõesi)
 

AO VIVO