Menu
Busca domingo, 27 de setembro de 2020
(63) 99958-5851
Araguaína
37ºmax
22ºmin
POLÍTICA

Kátia Abreu responde às denúncias veiculadas no Jornal Nacional

30 agosto 2011 - 09h24

Na noite de segunda, 29, o Jornal Nacional (Globo) exibiu matéria onde o repórter Júlio Mosquera mostra que a lista de apoio à legenda (PSD), apresentada à Justiça Eleitoral do Tocantins, tem até eleitor morto. O Ministério Público Eleitoral vai investigar a denúncia de fraude na coleta das assinaturas para a criação do Partido Social Democrático (PSD).

Crixás, a 161 km de Palmas, Palmas, chamou a atenção do Ministério, pois 30% dos pouco mais de mil eleitores do município aparecem na lista de apoiadores à criação do PSD. Personagens como José Lima, Leônidas Lisboa e Pedro Santana da Silva negam que assinaram a lista, enquanto Maria Júlia revela que seu marido, que também está na lista, está morto há 3 anos.

O procurador eleitoral de Tocantins, Rodrigo Luiz, disse que as autoridades competentes do Estado vão investigar as denúncias.

O Tribunal Superior Eleitoral determina que um novo partido só será criado depois de organizar diretórios regionais em pelo menos nove estados. Em cada um deles, é preciso coletar apoio mínimo de 0,5% dos votos dos eleitores.

Resposta do partido
O PSD divulgou nota oficial, assinada pela vice-presidente do partido e responsável pela entrada do PSD no Estado do Tocantins, a senadora Kátia Abreu, rebatendo a reportagem no Jornal Nacional (Globo) e defendendo o trabalho realizado pelos Cartórios Eleitorais do Estado.

Segundo a nota, "o partido pretende ser criado dentro das regras do estado democrático de direito, estabelecidas na Constituição da República Federativa do Brasil."

"Neste sentido, o PSD se sente, como seu dever, resguardar o trabalho realizado pelos Cartórios Eleitorais do Estado do Tocantins, no processo de certificação de assinaturas de eleitores, necessários à criação do novo partido."

"O PSD esclarece que o processo referente à coleta de assinaturas em Crixás do Tocantins, objeto da referida reportagem, subordinado à Cartório da 2 ª Zona Eleitoral de Gurupi, não está incluído na pauta de julgamentos do Tribunal Regional Eleitoral, previsto para esta terça-feira, dia 30 de agosto de 2011, justamente para possibilitar uma verificação mais amiúde, como de fato se deu, pela Justiça Eleitoral".

Sobre a denúncia de possíveis fraudes, a nota diz que a assinatura de João Henrique da Silva (falecido ) não foi certificada pelo Cartório Eleitoral, como consta na página 23 do processo. Sobre Pedro Santana Silva (duas assinaturas por ele negadas), "uma assinatura do eleitor foi certificada pelo Cartório Eleitoral, como consta na página 12 do processo. E outra não foi certificada (como está na página 15 do processo), o que demonstra a diligência do trabalho do Cartório Eleitoral."

Sobre Leônidas Lisboa (reclamação de que assinatura não confere), "a assinatura do eleitor não foi certificada pelo Cartório Eleitoral, como consta na página 23 do processo."

Sobre José Lima (reclamação de que assinatura não confere), "a assinatura do eleitor foi certificada pelo Cartório Eleitoral, como está na página 19 do processo."

"A nota reitera que a assinatura do eleitor falecido não foi certificada e a do eleitor que reclama de duas assinaturas, apenas uma foi certificada, o que demonstra a acuidade do trabalho da Justiça Eleitoral, diante do fato de que foram protocoladas no Cartório da 2ª Zona Eleitoral de Gurupi, 299 assinaturas de eleitores de Crixás, sendo certificadas apenas 154 assinaturas, o que demonstra o rigor dos critérios da Justiça Eleitoral."  (Fonte: Portal Stylo e assessoria da sen. Kátia Abreu)
 

AO VIVO