JBS Coronavírus
Menu
Busca domingo, 09 de agosto de 2020
(63) 99958-5851
Araguaína
35ºmax
19ºmin
PROJETO DE LEI

Armínio Fraga se une a Kátia Abreu pela hidrovia do rio Tocantins

13 setembro 2011 - 08h13

A senadora Kátia Abreu, presidente da FAET e da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil, conseguiu, na tarde desta segunda, 12, a adesão do ex-presidente do Banco Central, Armínio Fraga, à idéia de privatização da hidrovia do rio Tocantins. Kátia esteve no Rio de Janeiro com Fraga na empresa do economista, a Gávea Investimentos, onde a Senadora apresentou a importância logística da hidrovia do rio Tocantins para o transporte de grãos e de produtos da Zona Franca de Manaus, passando pelo Tocantins. Kátia fez a Fraga a mesma apresentação que empolgou a presidente Dilma Roussef há duas semanas no Palácio do Planalto. Na oportunidade, Dilma pediu a Kátia que fizesse a mesma explanação ao Conselho do Programa de Aceleração do Crescimento, para colocar a hidrovia dentre obras prioritárias do PAC.

Kátia disse que Armínio Fraga demonstrou interesse no projeto, informando o ex-presidente do BC que tem empresários interessados na privatização da hidrovia e que já estariam até mesmo participando do processo de privatização levado adiante pelo governo federal. Alguns empresários teriam investimentos no setor de açúcar e álcool na região e que a logística seria fundamental para os seus negócios.

Pelo projeto de Kátia Abreu, a hidrovia do Tocantins pode transportar, além das 56 milhões de toneladas de grãos das regiões Norte e Centro-Oeste,representa uma logística relevante no transporte da produção industrial da Zona de Franca de Manaus (AM) para o Sul do país (e os maiores centros consumidores.) Hoje, Manaus produz ,13 milhões das 3,9 milhões de toneladas da produção industrial brasileira. É produção que segue para o Sul por navios de cabotagem (pelo litoral) a custo mais elevado, o que aumenta o preço do produto ao consumidor, claro. Pela hidrovia, estudos indicam que cerca de 60% dessa produção pode ser transportada por hidrovia, cruzando o Estado do Tocantins.

A hidrovia do Tocantins custaria por volta de R$ 1,6 bilhões. Este valor, somado às obras necessárias em outras hidrovias da região e à estruturação dos portos e a implantação da derrocagem até Belém alcançaria o montante de R$ 4,6 bilhões.

Conforme defende Kátia Abreu, a produção seguiria de Manaus até Belém pelo rio Amazonas, de lá utilizaria a hidrovia do Tocantins,alcançando a Ferrovia Norte-Sul que, em Figueirópolis, alcançaria o ramal da Ferrovia Leste-Oeste até o porto de Ilhéus (ao Leste) e à região produtora de Sorriso, no Mato Grosso, a Oeste. Pela ferrovia seguiria até Mogiana e aos portos do Sul.

Uma das vantagens apresentadas por Kátia Abreu é o fato do transporte hidroviário ser o mais barato. Hoje, o custo do transporte de uma tonelada/1 mil km é da ordem de US$ 18 pelo modal hidroviário. Já por ferrovia, o custo aumenta para US$ 26 chegando a US$ 42 pelo transporte da mesma quantidade por rodovias.

Com a viabilização da hidrovia do Tocantins, praticamente toda a produção da Zona Franca e da agropecuária do Norte do país, cruzaria o Estado do Tocantins, gerando riquezas. Levando-se em consideração impostos e até mesmo o que pode ser ganho, como avalia Kátia Abreu, por exemplo, com a distribuidora de combustíveis da Petrobras que será instalada em Palmas, com a movimentação de um bilhão de litros de combustível por ano.

AO VIVO