Menu
Busca quinta, 26 de novembro de 2020
(63) 99958-5851
Araguaína
32ºmax
21ºmin
COLUNA

Vitrine Cultural

por Dágila Sabóia

Cantor Genésio Tocantins participa de evento cultural no Rio de Janeiro

11 novembro 2011 - 07h17

O penútimo show da série Música do Brasil Central, que faz um apanhado das diversas manifestações artísticas nascidas no centro-oeste brasileiro, será no dia 15 de novembro com o violonista e compositor premiado Genésio Tocantins, parceiro de Salgado Maranhão e de Juraíldes da Cruz. Esse será o primeiro show de Genésio no Rio de Janeiro em quase cinco anos. Música do Brasil Central integra as Terças Musicais do CCBB e tem coordenação e direção musical de Marcio de Camillo e produção da Criatto Promoções, sediada no Mato Grosso do Sul.

As músicas de Genésio giram em torno de assuntos que todos nós conhecemos bem, como amores, perdas e traz imagens da natureza exuberante do Tocantins na Amazônia Legal. “Sou um compositor que fala de todos os questionamentos que vivem o ser humano. Não tem como diferenciar a nossa música daquilo que nós somos. Diria também que ela está comprometida coma poesia diária do nosso povo”. Em pauta, ritmos brasileiros como coco, baião, samba, xote, choro, sússa, catira e congada.

O roteiro combina autorais (“Frutos da terra”, “Sinergia”, “Coco livre S/A” e “Relabucho”, entre outras) com temas de Juraildes da Cruz (“Meninos”, “Nóis é jeca mas é joia”, com Xangai, e “Dodói/ Ei flor”) e até uma parceria de Vicente Barreto e Celso Viáfora (“A cara do Brasil”). Essa música assume um caráter especial para o show no CCBB. “Quero mostrar para o público carioca um pouco dessa cara de uma região do país que a cidade não está acostumada a ouvir”, diz Genésio, que subirá ao palco acompanhado por Manoel Braga no acordeon e Paulinho Braga na guitarra e no bandolim.

Sobre Genério Tocantins
Genésio é violonista autodidata. Seu pai era lavrador, trovador e cordelista, e com ele aprendeu a cantar versos e cocos em feiras livres das cidades em Araguaiana, onde nasceu. Com a mãe, frequentou rodas de folias onde aprendeu cantos do divino. Ainda criança, mudou-se com a família para o norte de Goiás, hoje Tocantins.

O artista conquistou vários festivais e prêmios, entre eles o Prêmio Sharp de 1989, na categoria Revelação de Música Regional Brasileira com o disco “Rela Bucho”, produzido por Rildo Hora. Já gravou com diversos artistas, como Fagner, Rolando Boldrim e Pena Branca e Xavantinho, e é parceiro de Juraíldes da Cruz, Salgado Maranhão e Braguinha Barroso, entre outros poetas.

Como produtor, se destacou à frente do espetáculo “Cantos do Tocantins – O som, o ritmo e o povo”, apresentado no Ano do Brasil na França, resultado de uma extensa pesquisa, em foto e vídeo, da biodiversidade musical do Tocantins. Genésio reuniu nesse projeto músicas e ritmos étnicos, folclóricos e culturais de tradição oral, além de cânticos dos índios Karajá/Javaé e louvores de origem sagrada, folias catiras e sússas.

Em 2012, Genésio Tocantins vai percorrer 20 capitais brasileiras (ao lado de Dércio Marques, As Galvao e Pereira da Viola) com o projeto Brasil Clássico Caipira, que faz uma leitura clássica da música caipira interpretada junto com orquestras sinfônicas. Esse projeto existe desde 2009, com direção de Nilson Rodrigues, quando o Brasil comemorou os 80 anos da primeira gravação da música caipira, e a ideia é se apresentar com as sinfônicas locais.


FICHA TÉCNICA

Coordenação e direção Musical: Márcio de Camillo (MS)

Curadoria: Nilson Rodrigues (DF)

Produção: Criatto Promoções (MS)

Patrocínio: Ministério da Cultura e Banco do Brasil

(Da Assessoria de Imprensa)

AO VIVO