Palmas
28º
Araguaína
25º
Gurupi
25º
Porto Nacional
26º
SEGURANÇA

Árvores tomadas por cupins ou ocas precisarão ser cortadas em Araguaína

26 dezembro 2023 - 09h01

Periodicamente, a Prefeitura de Araguaína realiza o trabalho de vistoria em árvores de grande porte plantadas em áreas públicas e de grande circulação de pessoas. Em diversas avaliações, os engenheiros florestais da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente de Araguaína estão encontrando espécies tomadas por cupins, ocas por dentro e até mesmo mortas.

SIGA o Portal O Norte nas redes sociais: FacebookTwitter e Instagram
 
Essas árvores oferecem riscos para a população, principalmente durante o período chuvoso, que vem acompanhado de fortes rajadas de vento. Diante disso, a secretaria está autorizando o corte das árvores para garantir a segurança das casas, estabelecimentos comerciais, veículos e pessoas que circulam nas proximidades das espécies condenadas.
 
Nos próximos dias, a Secretaria da Infraestrutura fará o corte de duas mangueiras localizadas próximas à Escola Estadual Ademar Vicente Ferreira Sobrinho, na esquina da Avenida Bernardo Sayão com a Rua Olavo Bilac, no Setor JK.
 
“São espécies de grande porte em uma região com grande adensamento populacional, por isso a retirada é necessária. Quem passa pelo local pode achar que a árvore está em boas condições, mas fazemos uma avaliação bem criteriosa antes de tomar a decisão”, explica Larissa de Oliveira Barbosa, diretora de Licenciamento Ambiental.
 
Compensação Ambiental
 
As solicitações de retirada de árvores nas vias públicas de Araguaína podem ser feitas por qualquer morador, estabelecimento comercial ou por secretarias da prefeitura. Todo pedido passa obrigatoriamente pelo Departamento de Licenciamento Ambiental, que envia especialistas para uma avaliação presencial da espécie.

“O corte só é autorizado quando é constatada a morte da árvore ou uma deterioração irreversível. E sempre reforçamos que, para cada espécie retirada, a prefeitura faz a compensação ambiental de três ou mais espécies em diversos outros pontos da cidade”, reforça Larissa.