Palmas
28º
Araguaína
27º
Gurupi
27º
Porto Nacional
27º
FORRO DONI

Conheça a história do casal que com máquina emprestada construiu indústria de sucesso em Araguaína

01 março 2024 - 09h33Por Da Redação

Empreender é um grande desafio que requer perseverança, disciplina e visão para alcançar os objetivos almejados e hoje o Portal O Norte apresenta um pouco da história de sucesso da Forro Doni, fábrica genuinamente araguainense que vem ganhando espaço no mercado da região Norte do país com a produção de um importante produto de acabamento seja em projetos residenciais, comerciais e industriais de grande, médio e pequeno porte: o forro PVC. 

A Forro Doni atua no mercado há mais de 13 anos oferecendo soluções em forros PVC e conta com uma infraestrutura completa de equipamentos que garante a segurança e qualidade no processo produtivo. Atualmente a indústria atende os estados do Tocantins, Pará e Maranhão.

CHEGADA AO TOCANTINS

E por traz desse crescimento está o trabalho coordenado por um casal que juntos há mais de 30 anos arregaçou as mangas para fazer acontecer no solo tocantinense. Aloísio Júnior Doni nasceu em Morada Nova (CE) mas escolheu o Tocantins para sonhar e realizar ao lado da esposa, a paulista de Campinas, Franceli Doni com quem tem dois filhos. 

"Viemos de São Paulo para o Tocantins quando meu marido recebeu uma proposta para gerenciar uma fábrica de forros em Palmas em 2001", lembra a empresária destacando que depois de 7 anos a fábrica encerrou as atividades, mas com anos de experiência, Aloísio decidiu que a partir daí investiria no próprio negócio e o lugar escolhido foi Araguaína, a capital econômica do Tocantins.

NEGÓCIO FAMILIAR

"Apesar dos desafios, foi a melhor decisão que tomamos. Começamos apenas com uma máquina emprestada por um sócio e muita força de vontade. Franceli veio pra dentro do negócio também e enquanto eu coordenava o setor de produção que era minha especialidade, ela tomou a frente do administrativo".

O negócio da família prosperou e hoje, a indústria Forro Doni conta com quase 30 colaboradores, maquinários de alta tecnologia que trabalham 24 horas por dia na produção de variadas opções de forros PVC: lisos, frisados com diversas cores, desde neutras às mais vibrantes.

A empresa ainda conta com uma frota própria de caminhões, produz e entrega com eficiência e pontualidade atendendo os Estados de sua rota com uma ampla rede de distribuição e revenda.

BENEFÍCIOS DO FORRO PVC

Especialista no assunto, o empresário Aloísio Júnior garante que investir no produto é sem dúvida uma opção inteligente e promissora:

"São diversos os benefícios que o forro PVC tem pra oferecer para quem escolhe instalar o material em seu projeto e uma das maiores vantagens é que o PVC, material do qual este tipo de forro é feito, é um produto 100% reciclável. Muitos projetos levam isto em consideração na aquisição de matéria-prima e se a sustentabilidade faz parte dos seus planos, esse tipo de forro deve ser incluído em seu planejamento", explica o empresário destacando outra série de benefícios, tais como:

  • Resistência contra a umidade
  • Resistêcia a cupins 
  • Resistente à Maresia
  • Durabilidade
  • Facilidade de limpeza
  • Instalação sem sujeira

"Outro detalhe importante é o custo benefício, pois comparado com outros forros, esta opção é certamente uma das mais acessíveis do mercado", garante Aloísio Doni. 

PROJETOS FUTUROS

"Sem dedicação e resiliência nada disso seria possível,mas também não poderia deixar de ressaltar a importância da nossa equipe, onde cada colaborador busca executar com maestria o seu trabalho", afirma o CEO Aloísio Júnior destacando que, a empresa já traça planos para expansão do negócio e aquisição de maquinários para otimizar o processo de produção e distribuição dos produtos para mais cidades da região Norte do país.

"Araguaína é uma terra de oportunidades e nós fazemos nossa parte com geração de emprego e contribuindo para o crescimento econômico da nossa cidade e Estado e posso dizer com orgulho que escolhemos o lugar certo para viver e realizar nossos sonhos", pontua Aloísio Júnior.