Menu
Busca quarta, 21 de outubro de 2020
(63) 99958-5851
Araguaína
37ºmax
22ºmin

A Força da Mulher na Polícia Civíl

05 março 2011 - 10h12

Em comemoração ao Dia Internacional da Mulher, celebrado em 8 de março, a Secretaria de Segurança, Justiça e Cidadania fará uma série de matérias, publicadas durante o mês de março, com profissionais das diversas áreas de atuação na Segurança Pública. Para iniciarmos, conversamos com a Delegada Jacqueline Guimarães e Sousa que nos contou um pouco da carreira, da profissão e do cotidiano fora das delegacias.

Delegada Jacqueline Guimarães
Bacharel em direito, Jacqueline optou pela carreira de delegada se espelhando no trabalho do pai, que mesmo nos momentos de folga, junto à família, não abandonava o universo da delegacia. Desta maneira, tendo a boa conduta como exemplo, em 2002, aprovada em concurso público, a Dra. Jacqueline passou a fazer parte da equipe de delegados da Polícia Civil, do Tocantins.

Atuações
Em seus oito anos de profissão, atuou nos municípios de Talismã, Tocantinópolis, Pedro Afonso, Paraíso, Arapoema, Filadélfia e Araguaína. Se afastou das delegacias no período de 2009 à 2010, tempo em que esteve à disposição do Tribunal Regional Eleitoral. Retornou em 2010, como adjunta da DEAM – Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher e em fevereiro de 2011 assumiu a DEAM de Taquaralto.

Feminidade
Jacqueline se define como uma mulher que além de gostar da profissão e se dedicar a ela, prioriza a feminidade, gostando de andar bem arrumada. É mãe de 3 (três) filhas e dona de casa. “Muitas vezes preciso abdicar do tempo da convivência familiar para prestar um bom trabalho à comunidade. Para não atrapalhar os estudos das meninas já as deixei com familiares para que os estudos delas não fossem prejudicados devido as minhas transferências”.

A profissão
O delegado de polícia presta um serviço inestimável à sociedade. É dele a responsabilidade de atender à população, apurar e investigar delitos, e responsabilizar os que desrespeitam as normas de condutas. “A profissão é quase um sacerdócio. Trabalhamos para a comunidade. Não só o delegado, mas todo servidor público. O nosso trabalho tem que ser voltado para um melhor atendimento social”, relatou.


A delegada informou que o trabalho do delegado é processual penal, investigativo para subsidiar processos administrativos e investigativos, e os mesmos podem virar ações penais. “Na verdade, o nosso trabalho começa no primeiro atendimento e é preciso ter comprometimento com a causa até o final” completou.


Sobre a convivência diária, a policial afirma que um delegado tem o poder de levantar o astral de sua equipe. “A frase – Mude o mundo mudando primeiro você – tem na prática efeitos poderosíssimos. Quando fazemos, de cidadão para outro cidadão, estamos fazendo por nós e pelo outro. É assim que trabalhamos aqui na DEAM”, concluiu.
 (Da Ascom SSJC)
 

AO VIVO