Palmas
26º
Araguaína
27º
Gurupi
27º
Porto Nacional
28º
SAÚDE

Bebê nasce sem parte do crânio e é salva por prótese feita em impressora 3D

15 agosto 2022 - 14h57Por R7 Notícias

Anastazji nasceu em fevereiro deste ano em Rzeszow, na Polônia, e seu osso occipital — que forma a parte de trás e a base do crânio — não estava totalmente desenvolvido. O problema não foi percebido durante o pré-natal, apenas na hora do nascimento. Com isso, os tecidos cerebrais da pequena estavam expostos e os riscos de infecção e morte eram grandes.

O médico Lukasz Krakowczyk teve a ideia de usar uma impressora 3D para fazer uma prótese da parte que faltava na cabeça da bebê para que ela pudesse se desenvolver sem que sofresse com infecções. Para obter um molde exato, a equipe médica fez tomografias e ressonâncias magnéticas a fim de produzir um modelo virtual preciso do crânio de Anastazji. Esse modelo foi enviado para especialistas em impressão 3D, que usaram náilon e resinas para construir a massa mole, a conhecida moleira dos bebês.

Em 26 horas foram produzidos dois crânios perfeitos para que os médicos pudessem simular o procedimento. Depois de analisarem os crânios e observarem a forma e o tamanho exatos do defeito, os cirurgiões iniciaram a operação de reconstrução do tecido mole da cabeça, que levou duas horas.

Nesse período, a nenê foi mantida em uma incubadora isolada para evitar infecções e recebeu leite materno por meio de um tubo.

A cirurgia foi realizada em 28 de fevereiro, mas só agora foi noticiada. Em entrevista ao programa Fakty TVN, do canal polonês TVN, Krakowczyk explicou que ao longo do tempo a menina terá de passar por outros procedimentos para reconstruir o osso ausente.

“A menina agora espera por outra operação, desta vez a reconstrução do osso do crânio. Como sabemos que os ossos dela estão crescendo, precisamos esperar por essa etapa para fazer a cirurgia. A impressão 3D também será indispensável na fase de reconstrução do defeito ósseo do crânio, quando será necessário encaixar perfeitamente e planejar a reconstrução óssea”, afirmou o médico.