Palmas
31º
Araguaína
33º
Gurupi
34º
Porto Nacional
31º
PESQUISA

Extrato de cannabis pode matar células cancerígenas, aponta estudo

14 fevereiro 2024 - 10h56

Um novo estudo realizado por pesquisadores australianos aponta que o extrato de cannabis chamado PHEC-66 possui "efeitos anticâncer notáveis". Em testes in vitro, a substância diminuiu as taxas de crescimento de células cancerígenas de melanoma. Além disso, promoveu a morte dessas células.

SIGA o Portal O Norte nas redes sociais: FacebookTwitter e Instagram

Os resultados sugerem que o PHEC-66 desencadeia a apoptose nessas linhagens celulares de melanoma, aumentando a expressão de marcadores pró-apoptóticos (mRNA BAX) e, ao mesmo tempo, reduzindo a expressão de marcadores antiapoptóticos (mRNA Bcl-2). Além disso, induz a fragmentação do DNA, interrompendo a progressão celular.

Em outras palavras, o extrato se liga às células cancerígenas, impede que elas se multipliquem e força a morte delas. Segundo os pesquisadores, o dano à célula do melanoma impede que ela se divida em novas e, em vez disso, começa uma morte celular programada, também conhecida como apoptose.

Como outros resultados recentes que se mostraram promissores para a cannabis como terapia contra o câncer, o novo estudo só foi conduzido in vitro (ou seja, em laboratório, em células de melanoma especialmente cultivadas, e não em pessoas ou animais). A própria equipe admite que os trabalhos estão ainda em fase inicial e ainda não se sabe por que o extrato é eficaz.

A próxima etapa envolve estudos em animais ou ensaios pré-clínicos para tentar entender um pouco mais sobre como o PHEC-66 pode agir no tratamento de melanoma e outros tipos de câncer. As informações são do IFLScience.

Esperança de revolução no tratamento contra o câncer

  • Há quase um quarto de século, a cannabis e seus derivados têm sido cada vez mais reconhecidos como tendo o potencial de fornecer benefícios para pessoas com câncer.
  • Geralmente, no entanto, as vantagens são de natureza paliativa.
  • A substância impede que o paciente se sinta tão doente, ajuda a reduzir a dor e a ansiedade, mas não combate, de fato, a doença.
  • A expectativa dos pesquisadores é que o novo tratamento possa mudar este quadro.
  • O estudo foi publicado na revista Cells.

*Olhar Digital