Palmas
28º
Araguaína
29º
Gurupi
30º
Porto Nacional
25º
MEDICINA E SAÚDE

Novo exame identifica doença de Parkinson antes de surgirem sintomas

11 dezembro 2023 - 11h01

O número de casos de Parkinson deve duplicar até 2040, conforme previsão da Organização Mundial da Saúde (OMS). Atualmente, cerca de 4 milhões de pessoas no mundo são afetadas pela doença.

SIGA o Portal O Norte nas redes sociais: FacebookTwitter e Instagram

Um estudo conduzido pelo Departamento de Neurociências Clínicas de Nuffield, em Oxford, resultou na criação de um exame capaz de identificar o Parkinson antes mesmo de os primeiros sintomas começarem a aparecer.

Por que é difícil diagnosticar a doença de Parkinson?

Os primeiros sintomas do Parkinson costumam surgir muito tempo após a doença já ter causado danos cerebrais. Isso ocorre porque as células do cérebro começam a enfrentar dificuldades em lidar com a alfa-sinucleína, uma pequena proteína, cerca de dez anos antes.

Ao longo do tempo, a alfa-sinucleína vai formando aglomerados anormais e danificam células nervosas. Quando o paciente percebe os sintomas, como o distúrbio de movimento e demência, causada por essa alteração, já é tarde demais, e muitas células estarão mortas.

Por isso, prever a existência da doença de Parkinson é fundamental para dar encaminhamento a tratamentos e evitar uma degeneração mais severa da condição.

Como funciona o teste?

  • Com o novo exame de sangue, é possível medir um subtipo de vesículas extracelulares úteis para identificar alterações da alfa-sinucleína.
  • As vesículas extracelulares são nanopartículas expelidas por células responsáveis por transportar sinais moleculares
  • Para o teste, são isoladas as nanopartículas originadas das células nervosas do sangue.
  • Depois, é realizada a medição da proteína alfa-sinucleína presente nelas
  • As informações são do Medical Xpress.

Eficácia do exame

  • Nas primeiras pesquisas, foram testadas 365 pessoas de risco, 282 saudáveis e 71 com doença de Parkinson genética ou esporádica.
  • O teste foi capaz de identificar uma pessoa com alto risco de desenvolver Parkinson com uma precisão de 90%.
  • Também foi descoberto que aqueles com maior risco apresentavam duas vezes mais quantidade de alfa-sinucleína nas vesículas extracelulares neuronais.
  • Em outro grupo de estudo, com 40 pessoas diagnosticadas com Parkinson, o exame de sangue foi positivo em mais de 80% dos casos em até sete anos antes da confirmação da doença.

Biomarcador de Parkinson

Descobertas anteriores do laboratório Tofaris indicam que o biomarcador — alfa-sinucleína presente nas vesículas — usado no exame está aumentado em pacientes com Parkinson, mas não em outras condições semelhantes à doença.

O professor George Tofaris destacou a importância desse biomarcador:

Coletivamente, nossos estudos demonstram como as investigações fundamentais na biologia da alfa-sinucleína podem ser traduzidas em um biomarcador para aplicação clínica, neste caso, para a identificação e estratificação do risco de Parkinson.

*Olhar Digital