Palmas
31º
Araguaína
31º
Gurupi
31º
Porto Nacional
31º
NO TOCANTINS

Médica é alvo de investigação após negar atendimento a jovem grávida em hospital público

13 julho 2022 - 08h06Por G1 Tocantins

Denúncias relatando a falta de atendimento a uma adolescente grávida no Hospital Regional de Dianópolis levou o Ministério Público Estadual (MPTO) a instaurar um inquérito civil público para apurar a conduta de uma médica plantonista. O documento é desta terça-feira (12), e também investiga outras supostas negligências na unidade. A Saúde Estadual pediu o afastamento da profissional.

Segundo as reclamações, repassadas ao órgão através da Ouvidoria, a adolescente procurou a unidade por volta das 20h de domingo (10), reclamando de dores nas costas. Conforme relato da mãe, que a acompanhou até o hospital, a jovem ficou esperando na sala de pré-parto e uma enfermeira acionou a médica por diversas vezes, que teria feito ‘pouco caso’ e não atendeu o chamado. Para justificar, teria dito que “em tempos de Covid não é aconselhável ir para o hospital”.

Por volta das 22h30, em mais uma tentativa de atendimento, a enfermeira disse que a profissional estava em seu horário de descanso.

A mãe da grávida ainda disse que no mesmo dia, uma criança de dois anos teria sido liberada pela médica mesmo apresentando sintomas de febre, vômito e diarreia.

Diante das denúncias, a promotoria quer analisar as escalas de profissionais nos meses de junho e julho e os atendimentos no mesmo período que terminaram em óbito para apurar se houve negligência. O pedido também é para outras unidades do estado, desde que o atendimento tenha passado pela unidade de Dianópolis.

O órgão ainda anunciou que, conforme a portaria, irá vistoriar o Hospital de Referência em dias e horários diversos, para apurar possíveis irregularidades, bem como a presença dos médicos plantonistas. Também solicitará à Polícia Civil se houve registro de boletim de ocorrências com questionamentos sobre negligências no atendimento.

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) deverá prestar as informações em até 48 horas, segundo o inquérito.

O que diz a SES

Questionada sobre as reclamações, a SES informou que já tomou ciência de algumas denúncias relacionadas ao atendimento na unidade, e que a empresa responsável pela contratação de médicos para o Hospital Regional de Dianópolis é o Instituto Elisedape.

A pasta também disse que notificou a empresa sobre a situação e pediu que a médica citada nas denúncias seja retirada de imediato da escala de plantões. A empresa também deverá disponibilizar profissional médico para ocupar a vaga da profissional.

Na nota, a SES ainda destacou que “já abriu sindicância para apuração dos fatos e tomará as medidas cabíveis, bem como denúncia junto ao Conselho Regional de Medicina (CRM)”.