Palmas
32º
Araguaína
35º
Gurupi
34º
Porto Nacional
32º
MAUS-TRATOS

Bois e bezerros são encontrados morrendo de fome em fazenda do TO

16 dezembro 2023 - 11h05

Uma propriedade na zona rural de Palmas foi denunciada por maus-tratos ao rebanho criado no local. A equipe ambiental da Guarda Metropolitana foi informada das péssimas condições em que os animais estavam e quando chegou à fazenda para averiguar a situação, encontrou um bezerro quase morto e os animais morrendo de fome.

SIGA o Portal O Norte nas redes sociais: FacebookTwitter e Instagram

O proprietário não estava presente na abordagem, na tarde desta sexta-feira (15). Havia apenas um tratador e o gerente da propriedade, que fica na região do Sucupira e tem cerca de 400 animais, entre bezerros, bois e vacas.

Segundo subinspetor Adalberto Bernardo, denúncias chegaram pelo contato direto da Guarda e através 190, de que na fazenda estavam ocorrendo situações de maus-tratos a animais, no caso de gado criado em confinamento.

“Conversamos com o cidadão que trata dos animais e ele de fato afirmou que aqui há uma grande escassez de alimentos e que está havendo uma mortandade significativa desses animais por ausência de comida”, explicou.

De cerca de 400 animais, sendo 380 bezerros e o restante adultos, a Guarda Metropolitana ainda não tem dados de quantos morreram. Mas como todos estão sofrendo com a falta de alimentação, a situação fica configurada como maus-tratos.

No momento que a Guarda foi à fazenda, havia apenas um gerente e o tratador dos animais, que informou que o proprietário do rebanho estaria em viagem.

“Na afirmação do tratador, ele disse que esses animais estão com quatro dias sem comer e só hoje chegou o alimento, insuficiente para todo o rebanho e que só daria para alimentar até meio dia”, explicou o sub inspetor.

O responsável legal pelos animais poderá responder pelo crime e a penalidade pode ser referente a cada animal que morreu por falta de comida, afirmou o representante da Guarda. O subinspetor disse ainda que a Agencia de Defesa Agropecuária (Adapec) esteve na propriedade e já teria tomado as medidas iniciais com relação à atividade de criação e gado em confinamento no local.

“A lei prevê que a multa será de R$ 300 a R$ 500 por indivíduo. A ainda poderá pegar de três meses a um ano de prisão”, disse o subinspetor Bernardo quanto às possível penalidades pelo crime de maus-tratos.

Investigação e perícia

Os funcionários da fazenda foram encaminhados com a equipe da Guarda até a 1ª Central de Atendimento da Polícia Civil de Palmas para dar esclarecimentos sobre as denúncias na condição de informantes.

A Polícia Civil informou que foi registrado um boletim de ocorrência e que até a noite desta sexta-feira o proprietário da fazenda não havia sido encontrado pelas autoridades, mas Polícia Civil informou que eles serão intimados para prestar esclarecimentos.

O delegado responsável ainda determinou que a perícia fosse até a fazenda para fazer um laudo sobre a situação dos animais. A Delegacia Especializada de Repressão a Crimes Contra o Meio Ambiente e Conflitos Agrários (DEMAG) irá investigar o caso.

A Adapec informou que tomou conhecimento da denúncia e enviou uma equipe ao local, que constatou irregularidades. O proprietário do estabelecimento foi notificado e autuado, para que as medidas sanitárias fossem cumpridas, conforme está previsto na legislação.

A Agência ainda orientou que em casos da mesma natureza, a população pode fazer denúncias telefone 0800 063 11 22.

*G1 Tocantins