Palmas
24º
Araguaína
23º
Gurupi
22º
Porto Nacional
26º
MENOS DE 15 DIAS

Empresário do TO é indiciado pela terceira vez pelo crime de estelionato

24 janeiro 2024 - 10h58

Dando continuidade às investigações a respeito da prática de crimes de estelionato, que resultaram em prejuízos milionários a moradores de Paraíso do Tocantins, a Polícia Civil por meio da 63ª Delegacia daquela cidade, concluiu nesta terça-feira, 23, mais uma etapa de investigações, e indiciou novamente um empresário de 27 anos, por mais um crime de estelionato. 

SIGA o Portal O Norte nas redes sociais: FacebookTwitter e Instagram

O delegado José Lucas Melo, titular da 63ª DP e responsável pelo caso, explica que o empresário que atuava no ramo de compra e venda de produtos alimentícios por atacado foi indiciado pela terceira vez pela prática do crime de estelionato, uma vez que a Polícia Civil conseguiu localizar mais uma vítima.

"Ocorre que esse indivíduo já havia sido indiciado anteriormente por aplicar golpes em moradores de Paraíso. Ele atraía potenciais investidores com a promessa de altos lucros, em um curto prazo, sendo que para convencer os investidores, ele dizia que atuava com compra e venda de alimentos, sobretudo açúcar e óleo, que posteriormente seriam revendidos para grandes supermercados da cidade”, disse. 

Dessa forma, o indivíduo cooptou vários potenciais investidores, os quais  sem desconfiar que se tratava de um golpe e confiando na palavra do pretenso empresário, investiram altos valores em sua empresa e quando perceberam que se tratava de um golpe, uma vez que o indiciado não conseguiu cumprir com sua promessa de lucro rápido e alto, denunciariam o homem à Polícia Civil, que então iniciou as investigações e descobriu todo o modus operandi do suspeito de estelionato.  

O delegado José Lucas explica que o homem, em um primeiro momento até para disfarçar, chegou a repartir os supostos lucros obtidos com a venda de uma carga de insumos alimentícios avaliada em R$ 50 mil, para dar uma aparência de legalidade ao negócio e assim fortalecer a confiança com investidores que sequer sabiam a existência um dos outros. 

“No entanto, após esse primeiro ato, as investigações demonstram que o indivíduo desviou em proveito próprio o restante do dinheiro lesando vítimas que chegaram a perder entre R$100 mil a R$650 mil, com a prática do golpe”, disse. Somente nesse terceiro indiciamento concluído nesta terça-feira, pela Polícia Civil, uma vítima teve um prejuízo estipulado em mais de meio milhão de reais. 

Preso por outro crime

Após tomar conhecimento de que estava sendo investigado e que poderia ser preso, o empresário, que estava proibido de se aproximar ou falar com sua ex-companheira, entrou em contato com a mulher relatando o caso e fazendo ameaças. Diante dos fatos, e por ter violado a medida protetiva em vigor, foi deferido um mandado de prisão contra o homem, o qual foi cumprido, na semana passada e ele acabou preso pelo crime de descumprimento de medida protetiva. 

Com esse terceiro indiciamento, o indivíduo responde agora por três crimes de estelionato, que podem aumentar, pois a Polícia Civil ainda trabalha com a possibilidade da existência de mais vítimas que caíram nos golpes do falso lucro. 

“Trata-se de condutas muito graves perpetradas por esse indivíduo e que induziram pessoas a erro e causam prejuízos milionários. Desse modo, a Polícia Civil agiu com celeridade e desvendou toda estratégia criminosa utilizada pelo autor, impedindo que mais investidores fossem lesados”, pontuou o delegado José Lucas.

*SSP-TO