Palmas
28º
Araguaína
25º
Gurupi
25º
Porto Nacional
28º
INVESTIGAÇÃO

Fazendeiro araguainense foragido do TO é preso em bairro nobre de Recife

03 janeiro 2024 - 20h43Por Da Redação

O fazendeiro araguainense investigado pelos crimes de associação criminosa, porte ilegal de arma de fogo, ameaça, lesão corporal e incêndio, que estava foragido do Estado, foi localizado e preso na manhã desta quarta-feira, 3, em Recife (PE). A captura ocorreu em cumprimento a mandado de prisão após compartilhamento de informações entre as Polícias Civil do Tocantins e de Pernambuco e a Polícia Federal.

Os crimes pelos quais o fazendeiro é investigado ocorreram no âmbito de conflitos agrários na Gleba Tauá, zona rural de Goiatins.  

Leandro Alves foi encontrado em um hotel, no bairro Pina, área nobre da capital pernambucana, pelas equipes do Grupo de Capturas da Polícia Federal (GCAP-PF) e do Grupo de Operações Especiais da PC-PE.

“Ele foi conduzido para a Delegacia de Polícia de Recife e após procedimentos legais cabíveis, encaminhado ao Centro de Observação e Triagem (Cotel), também na capital pernambucana, onde aguardará decisão de recambiamento para o Estado de Tocantins”, informou o delegado Jodivan Benevides, que está respondendo pela 35ª Delegacia de Polícia Civil de Goiatins.

Conflito Gleba Tauá

A investigação em torno dos constantes conflitos entre posseiros e fazendeiros na Gleba Tauá vem ocorrendo há pouco mais de um ano. No dia 6 de novembro de 2023, equipes da 35ª DP de Goiatins cumpriram mandados de busca e apreensão no local. Na ação foram apreendidos celulares, armas de fogo, munições e rádios comunicadores, bem como seis pessoas, sendo dois adolescentes, foram conduzidas até à 5ª Central da Polícia Civil em Araguaína.

Os quatro adultos foram autuados em flagrante pelos crimes de posse ilegal de arma de fogo de uso permitido e de uso restrito e pelo crime de corrupção de menor de 18 anos. Os dois adolescentes foram autuados em flagrante pelo ato infracional análogo ao crime de porte ilegal de arma de fogo de uso permitido.

Na ocasião, o delegado Breno Eduardo Campos Alves, responsável pelas investigações, destacou alguns acontecimentos que motivaram a ação policial. “Temos tido situações de casas de posseiros incendiadas e ameaças. Temos acompanhado essa situação de perto e trabalhado com o intuito de diminuir os impactos de violência dos conflitos agrários que lá existem”, destacou.

A ação fez parte da Operação Hórus e contou com o apoio de policiais da 2ª Delegacia Regional de Araguaína, da 2ª Divisão Especializada de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP - Araguaína) e do Grupo de Operações Táticas Especiais (GOTE).