Palmas
21º
Araguaína
23º
Gurupi
21º
Porto Nacional
23º
BUSCA E APREENSÃO

PF investiga empresários e servidores suspeitos de desviar dinheiro em contratos de UTI

14 novembro 2023 - 09h54

A Polícia Federal do Tocantins dá continuidade nas investigações sobre a empresa suspeita de superfaturar valores de serviços e insumos de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) de Palmas e Gurupi, durante a pandemia. A Operação 'Broken Armour' investiga empresários e servidores públicos do estado suspeitos de fraude de licitação, organização criminosa e lavagem de dinheiro.

SIGA o Portal O Norte nas redes sociais: FacebookTwitter e Instagram

Nesta terça-feira (14) foram cumpridos 18 mandados de busca e apreensão, expedidos pela 4ª Vara Federal Criminal do Tocantins. Os mandados foram expedidos para as cidades de Belém/PA, Anápolis/GO, Goiânia/GO, Umuarama/PR, Boa Vista/RR, Ribeirão, Preto/SP, Cotia/SP, São Paulo/SP, Maceió/AL e Brasília/DF.

g1 solicitou um posicionamento do Governo do Tocantins sobre as investigações dos servidores públicos e aguarda retorno. Os nomes dos empresários e servidores não foram citados.

Segundo a PF, o cumprimento dos novos mandados são seguimento a Operação Ophiocordyceps instaurada em 2022 para investigar a empresa responsável pelas UTIs 2020 e 2021. Na época, a organização chegou a receber aproximadamente R$ 90 milhões para a gestão dos dois hospitais, na qual parte do valor teria sido desviado pelos empresários e funcionários públicos.

O esquema envolve superfaturamento, pagamento por serviço não prestado, pagamento em duplicidade e subcontratação de empresas de fachada em outros estados, além de lavagem de dinheiro de origem ilícita.

A PF informou que os indiciados poderão responder, pelos crimes de lavagem de dinheiro, fraude a licitação e organização criminosa, com penas que somadas, podem chegar a 23 anos de prisão, além da perda de bens e valores suficientes para a reparação dos danos decorrentes das infrações penais.

Segundo a polícia, o nome da operação “Broken Armour” significa “armadura quebrada” e remete à descoberta do segredo sobre como funcionava a criação e existência de empresas instrumentalizadas para a proteção de pessoas suspeitas de integrar a suposta organização criminosa.

*G1 Tocantins