Palmas
24º
Araguaína
24º
Gurupi
24º
Porto Nacional
26º
TRIBUNAL DO JÚRI

Presos envolvidos na maior fuga em massa do TO têm data de julgamento marcado

19 janeiro 2024 - 09h00

Foi divulgado nesta semana o cronograma do Tribunal do Júri em Araguaína, no norte do Tocantins, para 2024. Até agora estão previstas nove temporadas do júri com 34 julgamentos marcados.

Entre os casos que serão julgados estão os réus pela fuga do presídio Barra da Grota, que está com data marcada para 7 de março. A fuga em massa aconteceu em 2018, quando dezenas de presos marcharam pelas ruas da cidade após fazerem uma professora e agentes penitenciários reféns.

O processo tem 18 réus, sendo que quatro foram julgados em outubro de 2023 e condenados. Outros 14 devem ser julgados desta vez. Apenas um dos réus responde por tentativa de homicídio. Os demais respondem por crimes de associação criminosa, fuga de presídio mediante violência, roubo, sequestro e cárcere privado.

Julgamento de casos de assassinato

Outros crimes também serão julgados. Casos de assassinatos ocorridos em Araguaína nos últimos anos já têm data marcada para ser apresentado ao Tribunal do Júri.

O caso do jovem William Araújo Almeida, de 20 anos, que foi morto com golpes de foice na cabeça será julgado no dia 4 de abril deste ano. O crime aconteceu 2015, após uma discussão durante uma festa na cidade.

A justiça também irá julgar os suspeitos envolvidos na morte de Acássio dos Reis Silva. O crime foi registrado em 2018, no setor Barros. Os dois suspeitos teriam passado a noite bebendo com a vítima e chegaram a postar uma foto com Acássio, antes de roubá-lo. A audiência deste caso está marcada para o dia 23 de abril.

Já a audiência sobre o assassinato de Erick de Paiva Sousa, de 18 anos, está marcado para o dia 29 de fevereiro. Erick foi morto com um tiro na cabeça no setor Lago Azul IV, em janeiro do ano passado. Os criminosos desceram dos veículos, abriram um portão e entraram na casa.

O cronograma com todas as datas das audiências estão publicadas no site do Tribunal de Justiça.

G1 Tocantins