Palmas
30º
Araguaína
30º
Gurupi
28º
Porto Nacional
30º
SUDESTE DO ESTADO

Suspeita de incendiar mercado após discussão por sandália vai para prisão domiciliar

29 dezembro 2023 - 11h39

A mulher de 39 anos presa por incendiar um supermercado na véspera de Natal em Dianópolis, no sudeste do Tocantins, conseguiu direito a prisão domiciliar. Ela teria incendiado o local após discutir com o proprietário por causa de uma sandália. O benefício foi concedido porque a suspeita tem dois filhos menores, um deles de três anos.

SIGA o Portal O Norte nas redes sociais: FacebookTwitter e Instagram

O crime aconteceu na noite do dia 24 de dezembro, por volta das 23h30, no setor Nova Cidade. A mulher foi presa no Natal, dia 25, após ser identificada com ajuda de câmeras de segurança. O g1 pediu posicionamento da Defensoria Pública, que atende a suspeita.

Após as chamas se espalharem os bombeiros foram chamados e conseguiram salvar freezer, alguns produtos, mas pelo menos 70% do estabelecimento foram destruídos.

Um vídeo registrou o momento em que o supermercado foi tomado pelo fogo e o proprietário se desesperou, sendo contido pelos bombeiros para não entrar no local.

Discussão por causa de sandália

A Polícia Civil explicou que poucas horas depois de uma discussão, por causa de uma sandália, a mulher foi até o comércio com um galão de gasolina e ateou fogo nas portas e na lixeira. O fogo se espalhou rapidamente para o interior do imóvel.

A suspeita foi localizada por uma equipe da Polícia Militar pouco tempo depois das chamas serem contidas pelos bombeiros. Ela inicialmente foi presa em flagrante e depois a prisão foi transformada em preventiva.

Só que Defensoria Pública recorreu, pedindo a liberdade provisória ou que fosse mandada para prisão domiciliar por ter filhos menores. O Ministério Público se manifestou a favor da liberdade.

Supermercado foi incendiado por volta das 23h — Foto: Divulgação/Bombeiros

A decisão do juiz Vandré Marques e Silva saiu nesta quinta-feira (28). Ele entendeu que ainda há elementos para a prisão preventiva, mas também foram comprovados os requisitos para o benefício da prisão domiciliar.

“A meu ver os requisitos legais foram preenchidos, sendo a prisão domiciliar medida adequada para o presente caso, sem prejuízo de outras medidas cautelares", diz trecho da decisão.

Com isso, o juiz indeferiu a revogação da prisão preventiva, mas substituiu pela prisão domiciliar junto com as seguintes obrigações:

  • Não sair de sua residência em nenhuma hipótese, salvo com prévia autorização judicial;
  • Não mudar de residência, sem prévia permissão da autoridade processante;
  • Comparecer perante a autoridade, todas as vezes que for intimada para atos do inquérito e da instrução criminal.

O descumprimento de qualquer das limitações impostas levará à nova decretação de prisão preventiva.

*G1 Tocantins