Menu
Busca quinta, 24 de setembro de 2020
(63) 99958-5851
Araguaína
37ºmax
23ºmin
ARAGUAÍNA

Alunos usam personagens do Romantismo para fazer uma releitura da sociedade

05 setembro 2011 - 11h15

Com alunos representando a cantora Amy Winehouse, o poeta Castro Alves, escravos e indígenas, a turma do 2º ano da Escola Estadual Frederico Pedreira, em Palmas, apresentou o projeto ‘Manhã Literária’, com apresentações de trabalhos sobre a escola literária Romantismo.

Para apresentar o trabalho, os alunos transformaram a sala em ambientes que representaram as três gerações do Romantismo: a nacionalista ou indianista, marcada pela identidade nacional e pela exaltação da natureza; a 2ª geração teve a influência da poesia de Lord Byron e Musset, com características como pessimismo, desinlusão, tédio, egocentrismo e a 3ª geração chamada de ‘Condoreira’, que representa a liberdade para voos mais distantes.

Para o estudante Lucas Ribeiro de Oliveira, 16 anos, que representou Castro Alves, o mais importante é que os alunos fizeram uma ligação das ideias do Romantismo com a atualidade. “Vemos que a escravidão não acabou, os trabalhadores dos canaviais que recebem R$ 15,00 por dia, estão trabalhando em regime escravo, como também as donas de casa que trabalham por menos de uma salário mínimo, etc. Aprendi a ter um novo olhar para o mundo”.

Para falar da 2ª geração do Romantismo, os alunos prepararam um ambiente sombrio, escuro, com um aluno representando a morte sendo o recepcionista da viagem literária. Lá, os estudantes apresentaram as características da geração literária, as consequências da rebeldia e uma amostra dos artistas famosos que morreram com 27 anos, alguns, vítimas de overdose.

A professora Gisélia Nogueira Noleto Vasconcelos, que supervisionou os trabalhos contou que estava satisfeita com o resultado das apresentações e com a desenvoltura dos alunos. “Valeu a pena todo o esforço”.

A estudante Isabela Bernardes, 16 anos, explicou que todos os alunos participaram do trabalho, sendo líderes do grupo, sendo recepcionistas, guias literários e outros ficaram responsáveis pela divulgação e registro, outros pela explanação, outros pela ornamentação.

No final todos os alunos envolvidos no projeto, com as mãos sujas de tinta, assinaram numa bandeira, um compromisso pela valorização humana.(Da Ascom Seduc)
 

AO VIVO