Menu
Busca segunda, 29 de novembro de 2021
(63) 99958-5851
Araguaína
33ºmax
23ºmin
SAÚDE

Cientistas criam um chiclete que reduz coronavírus na saliva

23 novembro 2021 - 14h59Por R7 Notícias

Pode parecer estranho, mas mascar um chiclete especial pode ajudar a diminuir a concentração de coronavírus na saliva da pessoa infectada. Esse foi o experimento desenvolvido por cientistas da Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos. 

De acordo com a publicação feita no jornal científico Molecular Therapy, são incluídas na produção da goma de mascar cópias de uma proteína da superfície da célula chamada ACE2, que o vírus utiliza como porta de entrada para infectar a célula. Esse chiclete consegue reter partículas do Sars-CoV-2 e diminuir a quantidade do coronavírus dentro da boca do infectado. Com isso, os pesquisadores acreditam que o chiclete vai ajudar a conter a transmissão da Covid-19 durante a fala, tosse ou respiração. 

Nos estudos em laboratório foram coletadas amostras da saliva de pacientes e verificou-se que o vírus se ligou à proteína do doce. O resultado foi uma diminuição superior a 95% da carga viral nas amostras pesquisadas.  

"A goma de mascar com proteínas que prendem o vírus oferece uma estratégia geral acessível para proteger os pacientes da maioria das reinfecções orais do vírus por meio da redução de volume ou minimizando a transmissão para outras pessoas. Confirmando a maior suscetibilidade dos pacientes infectados para a entrada viral", explicaram os cientistas na publicação.

No ensaio, os pesquisadores usaram um placebo, chicletes convencionais sem nenhum efeito, e as gomas com a proteína incluída. Os cientistas dizem que o produto experimental não tem diferença se comparado ao convencional. Ambos têm os mesmos sabores e podem ser armazenados por anos sem a necessidade de temperatura especial, e a mastigação não destrói as moléculas da proteína ACE2. 

O uso da goma de mascar para reduzir a carga viral na saliva ajudaria a aumentar o benefício das vacinas e seria particularmente útil em países onde os imunizantes ainda não estão disponíveis ou acessíveis, já que os custos são baixos, acreditam os pesquisadores americanos. 

AO VIVO