segunda, 17 de janeiro de 2022
(63) 99958-5851
Araguaína
29ºmax
22ºmin
ESTUDO

Saiba como a carne vermelha aumenta risco de doenças cardiovasculares

27 dezembro 2021 - 16h50Por Meio Norte

Um estudo conduzido pela Cleveland Clinic (EUA) revelou novas informações sobre como uma dieta rica em carne vermelha aumenta o risco de doenças cardiovasculares. Publicadas na revista Nature Microbiology, as descobertas baseiam-se em mais de uma década de pesquisas do autor principal, o dr. Stanley Hazen.

Em uma série anterior de estudos, o dr. Hazen descobriu que um subproduto que se forma quando as bactérias intestinais digerem certos nutrientes abundantes na carne vermelha e outros produtos animais – chamados TMAO (N-óxido de trimetilamina) – aumenta o risco de doenças cardíacas e derrame.

As últimas descobertas oferecem uma compreensão mais abrangente do processo de duas etapas pelo qual os micróbios intestinais convertem o nutriente carnitina em TMAO, uma molécula promotora de aterosclerose e coágulo sanguíneo, após a ingestão de uma dieta rica em carne vermelha.

Novos alvos terapêuticos

“Esses novos estudos identificam o grupo de genes microbianos intestinais responsável pela segunda etapa do processo que liga uma dieta rica em carne vermelha a riscos elevados de doenças cardíacas”, disse o dr. Hazen, que dirige o Centro de Microbioma e Saúde Humana da Cleveland Clinic. “Esta descoberta nos ajuda a apontar novos alvos terapêuticos para prevenir ou reduzir o risco de doenças cardiovasculares associadas à dieta.”

Em 2018, o dr. Hazen publicou resultados no Journal of Clinical Investigation mostrando que a carnitina dietética é convertida em TMAO no intestino por meio de um processo de duas etapas e dois micróbios. Um metabólito intermediário nesse processo é uma molécula chamada γBB (gama-butirobetaína).

De acordo com o dr. Hazen, vários micróbios intestinais podem converter carnitina dietética em γBB, mas muito poucos podem transformar a molécula em TMA, o precursor do TMAO. “Em onívoros, Emergencia timonensis é o micróbio intestinal humano primário envolvido na transformação de γBB em TMA/TMAO. Por outro lado, vegetarianos e veganos de longo prazo têm níveis muito baixos desse micróbio em seus intestinos e, portanto, têm capacidade mínima ou nenhuma de conversão de carnitina em TMAO.”

Os pesquisadores estudaram a relação entre os níveis plasmáticos de γBB em jejum e os resultados da doença usando amostras e dados clínicos coletados de quase 3 mil pacientes. Níveis mais elevados de γBB foram associados a doenças cardiovasculares e eventos adversos importantes, incluindo morte, ataque cardíaco não fatal ou acidente vascular cerebral (AVC).

Efeito da mudança de dieta

Para compreenderem a ligação mecanicista entre γBB e os resultados observados em pacientes, os pesquisadores estudaram amostras fecais coletadas de ratos e pacientes, bem como modelos pré-clínicos de lesão arterial. Eles descobriram que a introdução de E. timonensis completa a transformação da carnitina em TMAO, eleva os níveis de TMAO e aumenta o potencial de coágulo sanguíneo.

Os pesquisadores usaram a tecnologia de sequenciamento para identificar o agrupamento de genes microbianos intestinais relevantes. Ele foi denominado agrupamento de genes gbu (utilização de gama-butirobetaína), com base em sua função recém-descoberta e inclui seis genes. Os cientistas descobriram que, na presença de γBB, a expressão de todos os seis genes no agrupamento de genes gbu aumenta e que quatro genes (gbuA, gbuB, gbuC e gbuE) são críticos na conversão de γBB em TMA/TMAO.

“Ao estudarmos amostras de pacientes, vimos que a abundância de gbuA está significativamente associada a uma dieta rica em carne vermelha e níveis plasmáticos de TMAO”, disse o dr. Hazen. “Pacientes que fizeram a transição para uma dieta sem carne passaram a exibir níveis microbianos intestinais reduzidos de gbuA. Em conjunto, isso sugere que as modificações dietéticas podem ajudar a reduzir o risco de doenças cardiovasculares associadas à dieta e ao TMAO. Da mesma forma, pode valer a pena explorar o papel do aglomerado do gene gbu como um alvo terapêutico potencial.”