Menu
Busca quinta, 29 de outubro de 2020
(63) 99958-5851
Araguaína
32ºmax
23ºmin
ARAGUAÍNA

Em vídeo, empresário revoltado questiona medidas que fecharam o comércio

03 abril 2020 - 11h59Por Redação

Circula nas redes sociais esta semana, o vídeo de um empresário revoltado com o fechamento do comércio em Araguaína, Norte do Tocantins. 

Atuando no ramo de autopeças há mais de 30 anos, Júnior Potiguar - como é conhecido popularmente - questiona a postura da Justiça e poderes públicos referente às medidas de combate ao avanço do Coronavírus. Vale ressaltar que na cidade há 3 casos confirmados de Covid-19 e todos os dias profissionais da Saúde realizam testes rápidos em pessoas suspeitas de estarem infectadas pelo vírus. 

No vídeo gravado dentro da empresa, ele ressalta que tem 22 funcionários que dependem do seu negócio e defende a reabertura imediata do comércio em geral: ‘Mandar fechar é fácil, quero ver abrir, pagar despesas…tem funcionário passando necessidade!”, afirma.

O empresário ressalta que os comerciantes só querem trabalhar para “defender o pão de cada dia”. 

Veja o Vídeo:

Polêmica

O fechamento do comércio divide opiniões na cidade e a questão tem sido alvo de polêmica desde quando entrou em vigor em 25 do mês passado, o decreto que determinou o funcionamento apenas de serviços essenciais.

Um dia depois da medida entrar em vigor, o prefeito de Araguaína, Ronaldo Dimas (Podemos) decidiu revogar trechos do decreto. No documento, Dimas argumentou ter levado em consideração o pronunciamento em que o presidente Jair Bolsonaro criticou as medidas de isolamento indicadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Ainda de acordo com Dimas, a decisão foi também com base nas orientações de médicos e profissionais da saúde em relação à flexibilidade e diante do pedido do setor empresarial e trabalhadores da cidade.

Intervenção Judicial

Diante da decisão do prefeito, no último dia 27 a Defensoria Pública Estadual (DPE) acionou a justiça pedindo uma intervenção para garantir que as medidas adotadas na primeira publicação fossem mantidas. O pedido foi acatado pelo juiz de Direito, Sérgio Aparecido Paio, que determinou a suspensão do documento que flexibilizou o funcionamento do comércio.

O Município

Em nota encaminhada à imprensa, a prefeitura informou que foi notificada da decisão e que na prática, retornará à vigência o Decreto Municipal 208, que tem validade até o próximo dia 5 de abril, até quando várias atividades comerciais e de serviços devem permanecer fechadas.

Sobre a decisão, o Município esclarece que, "embora respeite, não concorda com a decisão e a vê como uma clara interferência do Poder Judiciário no Poder Executivo. Tanto é que juízes de outras comarcas têm divergido da decisão ocorrida, citando e evitando essa interferência. Informa ainda que entrará com recurso", observa.

AO VIVO