Menu
Busca terça, 22 de setembro de 2020
(63) 99958-5851
Araguaína
37ºmax
22ºmin
EQUADOR

Jornal é condenado depois de falar mal do presidente

22 julho 2011 - 09h19
A capa em branco da edição de ontem do jornal "El Universo" evidenciou a mais recente vitória do presidente equatoriano, Rafael Correa, contra a imprensa.

No dia anterior, os irmãos Carlos, César e Nicolás Pérez, editores do jornal com maior tiragem do país, foram condenados a três anos de prisão, assim como Emilio Palacio, ex-editor de Opinião, que escreveu o artigo que motivou o processo contra o jornal. Eles terão de pagar US$ 40 milhões (RS$ 62 milhões) a Correa. Todos estão recorrendo e não foram presos.

"Isso abre um precedente que os fará pensar 10 mil vezes antes de prejudicar a honra das pessoas", disse Correa. O artigo que motivou o processo, publicado em 6 de fevereiro, tratava da possibilidade de Correa conceder perdão aos responsáveis pelo levante policial contra ele em 30 de setembro de 2010.

"O ditador [Correa] finalmente compreendeu (ou seus advogados o fizeram compreender) que não há como provar o suposto crime, já que foi tudo produto de um roteiro improvisado", dizia o texto.

Em coletiva de imprensa, o editor-executivo do jornal, Carlos Pérez Barriga, afirmou que não é um problema do governo com o "El Universo", mas um atentado contra a liberdade dos equatorianos.

"[O juiz Juan Paredes] quer que a nossa mão trema quando escrevemos sobre um ato de corrupção, ou que caiamos no pior: a autocensura."

A capa do jornal de ontem trouxe apenas a palavra "Condenados" seguida da frase da filósofa russa Ayn Rand: "Quando você perceber que a corrupção é recompensada e a honestidade, transformada em autossacrifício, então pode afirmar que a sociedade está condenada".

Ontem, a oposição apresentou uma proposta de lei que proíbe o desacato, que prevê prisão a quem expressar opinião que ofenda a uma autoridade.

A condenação gerou, pelo mundo, uma onda de repúdio por organizações de defesa da imprensa. O Repórteres sem Fronteiras disse que a decisão é "inoportuna", já que foi tomada em meio a um debate no país sobre a regulamentação da comunicação.

A Sociedade Interamericana de Imprensa e a Associação Internacional de Radiodifusão também condenaram. Segundo o jornal, "centenas de manifestantes" se reuniram em frente à sua sede, em Guayaquil, ontem. (Das agências de notícias/Folha.com) - RƩB

AO VIVO