Menu
Busca terça, 29 de setembro de 2020
(63) 99958-5851
Araguaína
36ºmax
23ºmin
BRASIL SEM MISÉRIA

Secretário e Ministra discutem implantação de projeto no Estado

07 julho 2011 - 17h13

Em reunião ordinária do Fonseas – Fórum Nacional de Secretários de Estado de Assistência Social, ocorrida em Brasília – DF, no Anexo do Ministério da Previdência Social, na manhã desta quinta-feira, 07, o secretário do Trabalho e da Assistência Social do Tocantins, Agimiro Costa, tratou com a Ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello, sobre a implantação do Plano Brasil Sem Miséria. Uma força tarefa entre, governo federal, estados e municípios, que combaterá os índices de pobreza extrema que, segundo dados divulgados pelo MDS, chegam a 16 milhões de brasileiros.

Para Ministra Tereza Campello, a fórmula para o sucesso do Plano Brasil Sem Fome, é a conscientização de todos. “O plano é uma força tarefa e não pode ser um plano para acontecer em somente quatro anos e sim um plano de governo, e para que isso aconteça é preciso que os estados tenham uma atuação conjunta, se isso não acontecer não tiraremos os 16 milhões de brasileiros dessa triste estatística”. Argumentou a Ministra.

O secretário Agimiro Costa, colou-se a disposição para fazer o que for necessário para que o Plano seja bem sucedido no Tocantins. “O governo do Estado do Tocantins já tem agido na elaboração de ações contra a fome. É prioridade para o governador Siqueira Campos mudar a triste realidade de extrema pobreza, em que parte da população tocantinense ainda vive, e não vamos medir esforços para que isso mude. E para colocar o Plano Brasil Sem Fome em prática no Tocantins, nós vamos convidar as secretarias afins para um trabalho conjunto, afim de acabar com a triste estatística da fome que nos encontramos atualmente.” Explicou Agimiro Costa.

Sobre os dados de extrema pobreza no Brasil do total de 16 milhões os indicadores são segundo IBGE/ 2010 – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística:
50,9% de pessoas até 19 anos;
39,9% de crianças até 14 anos;
70,8% são negros;
25,8% são analfabetos;
30,8% são mulheres.

(Da Ascom Setas)
 

AO VIVO